Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Fateo / Notícias / "Por que nossa fé não incomoda a ordem estabelecida?" pergunta teólogo Frei Betto no Encontro Fé e Política

"Por que nossa fé não incomoda a ordem estabelecida?" pergunta teólogo Frei Betto no Encontro Fé e Política

22/11/2013 11h15 - última modificação 22/11/2013 11h16

quinta-feira, 21 de novembro de 2013
Frei Betto no Encontro Nacional de Fé e Política: "Estamos assistindo a certos segmentos religiosos chocarem o ovo da serpente"

"O que a fé tem a ver com a política e o que a política tem a ver com a fé?” A questão foi posta pelo teólogo e escritor, Frei Betto, em conferência proferida no 9º Encontro Nacional Fé e Política que acontece na Universidade Católica de Brasília (UCB), campus de Taguatinga Sul (DF), em 16 de novembro, ao abordar o tema: “Poder na Cultura do Bem Viver”.

Frei Betto defendeu que Jesus morreu como prisioneiro político. “Cristão significa discípulo de Cristo. E como é que Jesus morreu?” E comparou: “como Vladimir Herzog (jornalista) morreu? Ele foi preso, torturado pelos militares do DOI-CODI (Centro de Operações de Defesa Interna da ditadura militar) de São Paulo e foi assassinado. Jesus também foi preso, foi torturado e assassinado por decisão de dois poderes políticos o Sinédrio Judaico e o ocupante romano representado pelo governador Pôncio Pilatos”.Para o teólogo a pergunta deveria ser outra: “por que nossa fé hoje não incomoda a desordem estabelecida?” Em seguida afirmou que, “toda a vivência da fé tem uma repercussão política, ou para sacralizar o que está aí ou para questionar. Não existe uma fé neutra”. Com isso, alertou para o uso da fé de forma milagreira, para fugir do enfrentamento dos verdadeiros problemas estruturais do país ou então para alimentar fundamentalismos.

Betto foi categórico em afirmar que “todos nós somos discípulos de um prisioneiro político e queremos que nossa fé seja fermento na massa”. Para ele, é importante não “partidarizar a fé”, nem “confessionalizar a política”. Quando se funda um Partido Cristão, já no nome se exclui todos os que não são cristãos. “Qualquer partido que tem adjetivo de religião está errado porque uma das conquista da modernidade é que os partidos e o Estado sejam laicos. O Estado e o partido não devem ter religião, mas respeitar a diversidade do pluralismo religioso”. Betto avalia que, no Brasil, “estamos assistindo certos seguimentos religiosos a começarem a chocar o ovo da serpente, expressão que vem do nazismo dos anos 30 (do século passado) na Alemanha. Depois que a coisa esquentou é que muita gente se deu conta. No Brasil hoje, seguimentos religiosos estão cada vez mais partidarizados. Existe no Congresso Nacional a bancada Evangélica. Não tenho nada contra os Evangélicos, tenho contra essa bancada”, esclareceu.

“Todo o fundamentalista religioso acha que quer o bem de todos, mas nenhuma igreja tem a capacidade de convencer a sociedade inteira. Precisamos abrir o olho porque está sendo chocado no Brasil o poder fundamentalista de confessionalização da política. Isso vai dar no fascismo. Nós queremos o Bem Viver, para isso precisamos de poder, para querer o poder nós precisamos aprender com a Palavra de Deus. A maior experiência de poder na tradição bíblica é a experiência de Jesus (ver Lc 22). Quem governa seja como aquele que serve. Esse é o maior testemunho de Jesus. O maior ato de Jesus foi quando ele se ajoelha para lavar os pés dos seus discípulos. Isso é o poder, colocar-se a serviço. Entre os Povos Indígenas o poder é partilhado”, lembrou.

Além de conferências centrais com a participação de Frei Betto, Paul Singer, Pedro Oliveira e Graciela Chamorro, a programação contemplou 26 Fóruns temáticos durante os quais, com a ajuda de assessores, os participantes puderam aprofundar os debates e propor encaminhamentos.

Criado em 1989 no Rio de Janeiro, o Movimento Nacional Fé e Política, em 2014, completará 25 anos. O 9º Encontro reuniu cerca de duas mil lideranças de diversos movimentos populares, entidades, sindicatos e partidos de todo o Brasil.

Leia também: Encontro Nacional Fé e Política debate cultura do Bem Viver

Fonte: Pontifícias Obras Missionárias.
Postado por Magali do Nascimento Cunha no blog "Mídia, Religião e Política"

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre:

Receba informações de oferecimento sobre esse curso: