Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Fateo / Notícias / Pesquisadora da UNESP lança livro sobre instrumento musical que faz parte da história do cristianismo

Pesquisadora da UNESP lança livro sobre instrumento musical que faz parte da história do cristianismo

10/11/2011 12h40 - última modificação 10/11/2011 13h09

Organistas, organeiros e órgãos - Crônicas sobre a história da música no Brasil

 

 

O primeiro órgão que existiu no Brasil foi trazido pela esquadra de Cabral. Era comum que os portugueses levassem uma versão portátil do instrumento (normamente fixo e formado por muitos tubos) em suas aventuras além-mar, para que pudessem louvar a Deus e "livrar a tristeza do mar".

Esta é um das histórias narradas por Dorotéa Kerr, pesquisadora do Instituto de Artes da Unesp de São Paulo, no livro Organistas, organeiros e órgãos - Crônicas sobre a história da música no Brasil, lançado pela Editora Unesp.

Embora a obra seja resultado de uma pesquisa documental para sua tese de livre-docência, a autora evitou o estilo acadêmico e optou por uma linguagem leve, visando um público mais amplo. São 33 crônicas curtas que descrevem a trajetória de um instrumento complexo - o que existe ainda hoje na Catedral da Sé, em São Paulo, por exemplo, tem mais de 10 mil tubos e 320 possibilidades de comando.

Em entrevista à revista Unesp Ciência, Dorotéa Kerr afirma que a partir do século 20 o instrumento, cuja história confunde-se com a própria história do cristianismo, entrou em declínio, devido à entrada de outros instrumentos nas igrejas, como o violão, bateria e instrumentos eletrônicos e digitais.  "Mesmo em igrejas que possuem órgãos muito bons e bonitos, a música dos serviços religiosos geralmente é praticada por outros meios". No entanto, novas pesquisas sobre construção de órgãos indicam que o instrumento também possa encontrar lugar fora do contexto religioso.

Fonte: Unesp Ciência, novembro de 2011

 

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre:

Receba informações de oferecimento sobre esse curso: