Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Fateo / Notícias / Juventude da Pastoral de Combate ao Racismo da Igreja Metodista no RJ critica ação da Secretaria de Segurança

Juventude da Pastoral de Combate ao Racismo da Igreja Metodista no RJ critica ação da Secretaria de Segurança

03/12/2010 17h15 - última modificação 03/12/2010 17h15

UMA CARTA DE ORIENTAÇÃO E REPÚDIO DA JUVENTUDE DA PASTORAL DE COMBATE AO RACISMO 1° REGIÃO - SOBRE AS POLITICAS DE MORTE DO GOVERNADOR SERGIO CABRAL


Prezados Revdssimos, Revds,Revdssimas, Revdas, Leigos/as, Irmãos e Irmãs em Cristo,

A Juventude da Pastoral de Combate ao Racismo vem se manifestar, contra o projeto de Morte do Governo Sergio Cabral, acreditamos que diferente da onda que a REDE GLOBO , A SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA do GOVERNO ESTADUAL-RJ, tenta fazer a população acreditar, onde o bem (Secretaria de Segurança Pública) e o Mal (traficantes) estão duelando em nosso estado, as coisas não acontecem dessa forma.

O que está por trás desses conflitos urbanos é uma reconfiguração da geopolítica do crime na cidade. Isso já vem se dando há algum tempo e culminou na situação que estamos vivendo atualmente. Não está em jogo a destruição da estrutura do crime, ela está se rearranjando apenas. O bem é a segurança pública e a polícia do Rio de Janeiro e o mal são os traficantes que estão sendo combatidos. Na verdade, isso é uma falácia. Não existe essa realidade. O que existe é essa reorganização da estrutura do crime.

A realidade do RJ exige hoje uma análise muito profunda e complexa e não essa espetacularização midiática, que tem um objetivo: escorraçar um segmento do crime organizado e favorecer a constelação de outra composição hegemônica do crime no RJ.

O mais drástico é que quem vai morrer nesse confronto é a população civil e inocente, que não tem acesso à comunicação, saúde, luz… Há todo um drama social que essa população vai ser submetida de forma injusta, arbitrária, ignorante, estúpida, meramente voltada aos interesses midiáticos, de venda de imagens e para os interesses de um projeto de política de segurança pública que ressalta a execução sumária. No Rio de Janeiro a execução sumária foi elevada à categoria de política pública pelo atual governo.

É uma política midiática de visibilidade de segurança no Rio de Janeiro e Brasil. A presidente eleita quase transformou as UPPs na política de segurança pública do país e quer reproduzir as UPPs em todo o Brasil. A UPP é uma grande farsa. Nas favelas ocupadas pelas UPSs podem ser encontrados ex-traficantes que continuam operando, mas com menos intensidade. A desigualdade social permanece, assim como o não acesso à saúde, educação, propriedade da terra, transporte. A polícia está lá para garantir o não tiroteio, mas isso não garante a não existência de crimes. Ao nosso ver, até agora, as UPPs são apenas formas de fachada de uma política de segurança e econômica de grupos de capitais dominantes na cidade para estabelecer um novo projeto e reconfiguração dessa estrutura.

Por isso acreditamos no poder restaurador da Igreja de Cristo, chamada nesse século e nesses dias para fazer a diferença, operar no meio do povo oprimido a transformação social, espiritual, econômica, política e cultural de um povo que está sofrendo e esse povo é negro e pobre, estamos vivendo esses dias terríveis, e a juventude da Pastoral de Combate ao Racismo da 1ª Região Eclesiástica manifesta atráves dessa carta sentimentos de compaixão, estaremos em oração pelo nosso povo, mas é certo que estaremos em ação, antes de tudo buscando a libertação do nosso povo, pois acreditamos que fomos chamados para uma missão em nossos dias, assim como Moisés e outros foram chamados naqueles dias para cumprir a missão de Deus nessa terra.

Na resistência a tod@s!

Um Afroabraço!!

Dayse Gomis e Cyro Garcia

Juventude da Pastoral de Combate ao Racismo

Igreja Metodista - 1ª Região Eclesiástica

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre:

Receba informações de oferecimento sobre esse curso: