Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Fateo / Notícias / A celebração da diversidade: o Diálogo Sol-África

A celebração da diversidade: o Diálogo Sol-África

15/05/2009 19h28 - última modificação 18/05/2009 17h21

imagens/solafrica2.jpg

Da esquerda para a direita, os pastores: Adriano, Eugênio, Mahlucky e Maurício.


No último dia 13 de maio, quarta-feira, a celebração cúltica realizada no auditório Ômega, da Faculdade de Teologia, nos períodos matutino e noturno, contou com a participação de quatro pastores de além mar: Adriano Quelende e Eugênio Caiumba, de Angola e Mahlucky Massingue e Maurício Samussone, de Moçambique. Eles são os integrantes do projeto Sol-África de 2009, programa de educação teológica desenvolvido em parceria pela Junta Geral de Educação Superior e Ministério dos Estados Unidos, FaTeo e as Igrejas Metodistas Unidas de Angola e Moçambique.

Dois alunos que participaram das celebrações contam como foram os momentos de diálogo entre a comunidade da FaTeo e os professores convidados.

Uma celebração com diversas línguas estranhas. Esse foi o título que o aluno Silas Fiorotti escolheu para seu relato sobre o encontro entre os alunos de teologia do período matutino e os pastores integrantes do Projeto Sol-África. A diversidade cultural, expressa nos cânticos e orações em idiomas africanos, celebrando a unidade e fraternidade entre os povos, tem enriquecido os momentos de diálogo entre a comunidade da FaTeo e os pastores.

Nkosi sikelel iAfrika, o hino do Congresso Nacional Africano, é o título do texto do aluno Silas Klein, do período noturno. Ele destaca que o hino chegou a ser proibido por seu patriotismo e pede a bênção e salvação do Senhor à família da África. Nos diálogos, a comunidade da FaTeo tem manifestado um grande interesse por conhecer o panorama geral da situação política, econômica, social, histórica, geográfica e cultural de Angola e Moçambique. “Contaram-nos minuciosamente a importância da cultura, as questões étnico-lingüísticas que os envolvem e as dificuldades de se manter a identidade de um povo que fora escravizado, separado e torturado durante guerras infindáveis”.

Para saber mais sobre os diálogos do projeto Sol-África, da FaTeo, leia os textos:


imagens/solafrica1.jpg

Ao centro, a professora Blanches de Paula, coordenadora do Projeto Sol-África

Fotos: Bianca Daga

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre:

Receba informações de oferecimento sobre esse curso: