Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Fateo / Notícias / Dia das Mães: a homenagem que nasceu numa Igreja Metodista

Dia das Mães: a homenagem que nasceu numa Igreja Metodista

06/05/2013 13h10 - última modificação 06/05/2013 13h09

Flores, cartões, beijos... quando chega o segundo domingo de maio, é gostoso receber e demonstrar amor às mães pelo seu dia. É um dia também para se lembrar, com o coração cheio de gratidão, das mães que já se foram.

Afinal, o Dia das Mães nasceu como uma homenagem póstuma da metodista norte-americana Anna Marie Jarvis (foto) à sua própria mãe. A primeira comemoração oficial foi numa Igreja Metodista, cerca de 100 anos atrás.

No ano de 1905, Anna Marie Jarvis recebeu um duro golpe: a morte de sua mãe, exemplo de dedicação e fé. Dois anos mais tarde, em 1907, no segundo domingo de maio, Anna convidou várias amigas para sua casa na Filadélfia, EUA, para uma celebração de ação de graças pela vida de sua mãe. Na ocasião ela anunciou a idéia de se instituir um dia nacional em honra às mães.

No verão seguinte, Anna escreveu ao Superintendente da Escola Dominical da Igreja Metodista Andrews em Grafton, sugerindo que a igreja na qual sua mãe tinha dado aulas por 20 anos, celebrasse o Dia das Mães em sua homenagem.



Assim, no dia 10 de Maio de 1908, celebrou-se oficialmente o primeiro Dia das Mães da história. Em 1914, a celebração tornou-se nacional, aprovada pelo Presidente Woodrow Wilson.

Desde 1908, a homenagem às mães acontece na Igreja Metodista Andrews, agora conhecida como Capela do Dia das Mães, na cidade de Grafton, West Virginia. O local tornou-se também uma espécie de museu dedicado à comemoração.

 

 

FIM DO DIA DAS MÃES

Mas nem tudo foram rosas (ou cravos, escolhidos por Anna para simbolizar a data) na bela história do Dia das Mães. Muito cedo Anna se decepcionaria com os rumos tomados pela comemoração. Ela ficava simplesmente chocada quando via comerciantes aproveitando-se da data. "Não era essa minha intenção! Eu queria que fosse um dia de sentimento, não de lucro!, reclamava Anna. Desgostosa, ela ironizava: "Um cartão impresso não significa nada, a não ser que você é muito preguiçoso para escrever para a mulher que fez mais por você do que qualquer outra pessoa no mundo. E doce! Você compra uma caixa para sua mãe - e come a maior parte você mesmo. Um lindo gesto!"

O mesmo empenho que Anna teve para criar e oficializar o Dia das Mães, ela teve para destrui-lo. Em 1923, moveu um processo contra o governo de Nova York para cancelar a celebração e, é claro, perdeu. Enraivecida, ela atacou uma barraca de florista (mais ou menos como Jesus fez com as mesas dos cambistas no templo de Jerusalém) e foi presa por perturbação da ordem.

Anna Jarvis nunca conseguiu fazer com que o Dia das Mães "acabasse" ou voltasse à pureza original. Morreu pobre e sozinha, aos 84 anos de idade, e foi enterrada ao lado de sua mãe.

Suzel Tunes


(traduzido e adaptado dos sites: http://www.mothersdayshrine.com e http://sean.gleeson.us/2005/05/08/mothers_day_history. Publicado originalmente no jornal Expositor Cristão)


Comunicar erros


Leia mais notícias sobre:

Receba informações de oferecimento sobre esse curso: