Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Fateo / Notícias / CLAI responde ao bloqueio econômico dos Estados Unidos, apontam líderes ecumênicos

CLAI responde ao bloqueio econômico dos Estados Unidos, apontam líderes ecumênicos

18/04/2013 11h45 - última modificação 18/04/2013 14h57


A manutenção da Assembleia do Conselho Latino-Americano de Igrejas (CLAI) em solo cubano, apesar do congelamento de fundos do organismo ecumênico como mostra do bloqueio econômico dos Estados Unidos contra a Ilha, é uma reconhecimento à igreja local, sua trajetória ecumênica, além de representar um gesto de solidariedade, manifestaram líderes religiosos do país.

José Aurelio Paz
Havana, 17 de abril de 2013

ALC


“Tal decisão demonstra que a Igreja na América Latina é uma Igreja de princípios e de dignidade e que está acima de qualquer política e de qualquer elemento que possa criar divisão, porque é uma Igreja unida e disposta a enfrentar conseqüências por salvaguardar sua essência e sua fé cristã antes de mais nada”, disse a presidente do Conselho de Igrejas de Cuba (CIC), Joel Ortega Dopico.

O diretor do Centro Martin Luthes King Jr., reverendo Raúl Suárez, destacou que a realização da Assembléia em Cuba é "um reconhecimento à vitalidade de sua Igreja e um gesto concreto com um povo de tanta fé como o nosso".

Ele lembrou que por anos tentaram isolar Cuba do restante da América Latina, o que também ocorreu. Mas graças à iniciativa das Conferência das Igrejas do Caribe, que pressionou os governos, as relações da Ilha com demais países da região foram reconstruídas. "Por aí começaram os gestos concretos de solidariedade para com o nosso povo", agregou.

O diretor do Seminário Evangélico de Teologia (SET), o pastor presbiteriano Reineiro Arce, de Matanzas, destacou que a Assembleia na Ilha é uma resposta à contribuição de Cuba à América Latina, tanto na ordem social como teológica, e à correspondência de cubanos no processo de construção de uma sociedade mais justa como alternativa ao neoliberalismo.

A decisão de manter a Assembleia em Cuba, prevista para maio, "é uma aberta condenação ao bloqueio norte-americano e à política de agressão dos Estados Unidos contra a Ilha", assinalou.

 

Saiba mais:

CMI pronuncia-se contra bloqueio que ameaça realização de assembleia do Conselho Latino-Americano de Igrejas

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre:

Receba informações de oferecimento sobre esse curso: