Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Fateo / Notícias / Capitães de seleções participantes da Copa do Mundo de Futebol lêem manifesto contra racismo

Capitães de seleções participantes da Copa do Mundo de Futebol lêem manifesto contra racismo

02/07/2010 18h21 - última modificação 02/07/2010 18h21

Os capitães das seleções de Brasil e Holanda, que disputaram, no dia 2 de julho, a partida de quartas de final da Copa do Mundo de Futebol na África do Sul (vitória holandesa por 2 a 1, para decepção brasileira) leram, antes do início do jogo, um manifesto contra a discriminação e o racismo.

O jogador Van Bronckhorst, da equipe da Holanda, leu a seguinte mensagem: "Em nome da seleção da Holanda, declaro que rejeitamos de todo o coração o racismo e todo tipo de discriminação dentro ou fora do campo. Confiamos no poder do futebol para unir homens e mulheres de todas as raças, religiões e nacionalidades. Nos comprometemos a perseguir este objetivo e pedimos a todos para que se juntem a nós na luta contra o racismo, onde quer que seja".

O brasileiro Lúcio, capitão da seleção brasileira, leu: "Em nome da seleção do Brasil, declaro que nos negamos a tolerar qualquer forma de discriminação no futebol e apelamos a todos os que nos estão vendo hoje, onde quer que estejam no mundo, para que nos ajudem a erradicar a discriminação em nossa sociedade. Se todos nos unirmos, poderemos conseguir. Diga não ao racismo".

Os capitães das seleções de Gana, Alemanha, Espanha, Uruguai, Argentina e Paraguai também farão essas declarações, em nome das seleções de seus países.

Fonte: EFE, 2 de julho de 2010


RACISMO NO FUTEBOL FRANCÊS


Lamentavelmente o fenômeno do racismo não acabou junto com o apartheid nem se restringe à África do Sul. Após a eliminação da França na Copa do Mundo um grupo de aproximadamente 30 torcedores invadiu a sede da Federação Francesa de Futebol (FFF) e com gritos preconceituosos exigiu a exclusão de negros e muçulmanos da seleção do país.

Veja abaixo matéria publicada pelo site UOL:


Torcedores invadem federação francesa pedindo exclusão de 'pretos e muçulmanos'

Do UOL Esporte


Após a eliminação da França na Copa do Mundo, um grupo de cerca de trinta torcedores invadiu a sede da Federação Francesa de Futebol (FFF), em Paris, e com gritos racistas, pressionou o até então presidente da entidade, Jean-Pierre Escalettes, a não mais convocar “pretos e muçulmanos” para a seleção. O caso, revelado pelo jornal Le Figaro, ocorreu no último dia 25 de junho, três dias depois da derrota da França para a África do Sul pelo placar de 2 a 1, que eliminou a então vice-campeã mundial do torneio.

Segundo atesta o jornal, o grupo de torcedores racistas, uma minoria que costuma fazer barulho principalmente em partidas do Paris Saint-Germain, invadiu a sede da FFF e pichou o muro da entidade com os dizeres “Aqui é Paris, não Argélia”, em referência hostil à presença de imigrantes tanto na seleção quanto na sociedade francesa.

Além disso, a imprensa local registrou a seguinte frase, atribuída ao grupo: “Digam ao Sr. Escalettes que queremos uma seleção francesa branca e cristã, e que exclua os pretos e muçulmanos do time. Digam a ele que voltaremos e quebraremos tudo”.

A FFF registrou queixa na polícia parisiense, por difamação e danos materiais.


Conflito racial

Nas Copas de 1998 e 2002, os Bleus tinham doze atletas negros ou árabes, cuja família tem sua origem fora da França continental – oficialmente, o país ainda tem províncias fora da Europa, como a Guiana Francesa e a Ilha de Reunião, além de colônias como Martinica, Nova Caledônia e Polinésia, entre outras. Vários atletas da seleção vêm ou têm ascendência nestas regiões, além das ex-colônias, como Argélia, Marrocos, Costa do Marfim ou Senegal.

O número de ‘não-brancos’ subiu para dezesseis em 2006 e voltou a treze na seleção que esteve na África do Sul em 2010.

Nas quatro últimas Copas, a presença majoritária de atletas negros e árabes na seleção foi colocada em discussão na França.

Em meados e fins dos anos 90, o racismo dentro dos estádios europeus começava a se intensificar, e atletas franceses que começavam a despontar, como Thierry Henry e, sobretudo, Patrick Vieira, lideravam movimentos contra o preconceito.

De maneira que, em 1998, com o título da Copa do Mundo, a diversidade racial era celebrada, com uma seleção denominada como “BBB” (de “Black, Blanc e Beur”, ou “Negro, Branco e Árabe”) sendo recebida de braços abertos pela grande maioria. Porém, ano a ano, a tensão em torno da imigração na Europa se intensificou, fez parte da agenda política de todos os países, e a seleção francesa de futebol, a mais multirracial de todo o Velho Continente, não passou incólume. Racismo no meio político

Durante a Copa de 1998, o líder da extrema-direita francesa, Jean-Marie Le Pen, já havia demonstrado seu incômodo com o fato de a equipe campeã do mundo não ter “brancos o suficiente”. Em 2006, voltou a reclamar, dizendo que alguns jogadores não entoavam a Marselhesa, hino do país, com toda força e convicção do mundo. “Alguns nem sabem cantar”, disse na ocasião.

Poucos dias depois, ainda durante o Mundial de 2006, um político do Partido Socialista, Georges Frêche, declarou que era uma “vergonha” a quantidade de negros na seleção, àquela altura, já comandada por Raymond Domenech. “Daqui a pouco teremos onze negros no time titular”, reclamava em tom temeroso.

Já em 2010, um influente professor e intelectual francês, Alain Finkielkraut, que constantemente dá opiniões na mídia francesa, tachou a crise vista nos Bleus durante a Copa como o resultado de uma “divisão étnica e religiosa”, conseqüência da presença e ação negativa de “uma equipe de delinqüentes, que só conhece uma moral, a da máfia”, a de uma “geração de gentalha”, “de gente que se lixa para a França”.

“Essas declarações negam a pluralidade, elas traduzem um profundo desprezo pelos meios populares e uma forma de racismo que está se banalizando”, respondem os sociólogos Marwan Mohammed e Laurent Mucchielli, em artigo para o jornal digital Rue89.com (publicado por ex-jornalistas do diário Libération).

“Em 1998, os gols de Zidane eram assimilados como algo popular, marselhês, francês, os gols tinham a marca da pluralidade ‘Black-Blanc-Beur’. Contra a Itália, em 2006, a cabeçada de Zidane em Materazzi era algo vindo da Argélia, das periferias da França, mas ainda assim se perdoou o momento de fraqueza do herói nacional. Mas em 2010, sem desculpas: é caça às bruxas e análises próximas às do Le Pen”.

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre:

Receba informações de oferecimento sobre esse curso: