Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Fateo / Notícias / BRASIL, NUNCA MAIS! Testemunho de um ato público de cidadania

BRASIL, NUNCA MAIS! Testemunho de um ato público de cidadania

01/08/2013 12h55 - última modificação 01/08/2013 13h33

No dia 14 de junho de 2011, a Faculdade Metodista de Teologia da Universidade Metodista, a FaTeo, esteve no Ato Público de Repatriação dos documentos do projeto Brasil: Nunca Mais, coordenado pelo pastor presbiteriano Jaime Wright e pelo Cardeal Evaristo Arns, da Arquidiocese de São Paulo, entre 1979 e 1985. Financiado pelo Conselho Mundial de Igrejas, o projeto Brasil Nunca Mais teve por objetivo documentar o que ocorria nas prisões políticas do regime militar brasileiro.

Para que esses documentos não fossem destruídos pelos agentes da repressão, eles foram enviados para o exterior. O Ato Público oficializou a entrega de um milhão de páginas microfilmadas que estavam no Center for Research Libraries, de Chicago, e 10 mil páginas inéditas da correspondência entre Dom Paulo e o Rev. James Wright, além de marcar o início do Projeto Brasil Nunca Mais Digital, pelo qual toda essa documentação ficará disponível a qualquer pessoa, pela Internet, a partir do lançamento do projeto Brasil, Nunca Mais digital, dia 9 de agosto de 2013.

Entenda a importância deste momento histórico:


O convite para participar do Ato Público de repatriação dos documentos do Projeto Brasil Nunca Mais foi recebido como um privilégio por professores/as, alunos/as e funcionários/as da FaTeo. A professora Margarida Ribeiro, zelosa coordenadora do Programa de Extensão, cuidou pessoalmente da organização de uma verdadeira caravana à sede da Procuradoria Regional da República da 3ª Região em São Paulo, recrutando quem tinha carro e organizando as caronas.

Fomos com alegria, sabendo que se cumpria mais uma etapa para a consolidação da democracia brasileira. Lá no auditório da Procuradoria, um triste mural com fotos de jovens presos políticos desaparecidos e assassinados contrastava com o clima festivo do evento. Mas, de esperança em esperança, a vida persiste. As vítimas da repressão que conseguiram ter os seus cabelos embranquecidos pelo tempo atestavam isso.

Para muitas pessoas, foi um momento de reencontros, abraços, lágrimas e risos. E como havia gente naquele auditório! O Procurador Regional da República, Marlon Alberto Weichert, até se desculpou pela falta de acomodações e muito simpático, aboliu as formalidades, deixando os presentes à vontade para se sentarem no chão se quisessem.

Além das várias autoridades federais e estaduais presentes (o Senador Pedro Taques, o Procurador Geral da República Roberto Monteiro Gurgel Santos, o coordenador do Arquivo Público do Estado de São Paulo Carlos de Almeida Prado Bacellar, dentre outros) havia muitos representantes de organizações não governamentais e organismos eclesiais. Tantos que o mestre de cerimônias, responsável pelo anúncio dos convidados, até se atrapalhou com as siglas! CMI, CLAI, CONIC, CIEMAL... Muitas igrejas cristãs também estavam ali representadas e, com o risco de deixar alguém de fora, posso citar as igrejas Anglicana, Luterana, Católica, Presbiteriana e, é claro, Metodista, destacando-se o Bispo Stanley Moraes, representando o Colégio Episcopal da Igreja Metodista e o prof. Márcio de Moraes, reitor da Universidade Metodista de São Paulo. A professora Margarida começou a contar os metodistas um a um e chegou a umas 35 pessoas, a maioria delas vinculada de alguma maneira à FaTeo. Não podemos esquecer que a Faculdade de Teologia também foi uma vítima da intolerância e do autoritarismo que caracterizavam os tempos da ditadura militar.

Para que não se esqueça

No decorrer da cerimônia, foi ficando cada vez mais evidente que nós não participávamos simplesmente de um evento festivo, mas de um ato público de enorme significado: preservar a memória é lutar contra a impunidade, não apenas daqueles que cometeram atrocidades no passado, mas também dos criminosos do presente. A frase “Para que não se esqueça, para que nunca mais aconteça” – de  D.Paulo Evaristo Arns, um dos lemas do projeto Brasil Nunca Mais -- foi lembrada várias vezes. Como disse o presidente da OAB do Rio de Janeiro, Dr. Wadih Damous, o silêncio sobre esses crimes do passado reforça a prática da tortura no país, agora não mais sobre perseguidos políticos, mas sobre jovens negros, favelados, milhões que vivem sem cidadania. “A decisão do Supremo Tribunal Federal (que negou a punição) sinaliza que os torturadores do presente podem continuar matando que nada vai lhes acontecer”, ele disse, sob fortes aplausos.

Aliás, sempre que algum dos oradores se referia à necessidade de desvendar toda a verdade dos crimes políticos no país, reações inflamadas se ouviam: bem atrás de nós sentava-se um grupo de senhores, vítimas da ditadura que ainda esperavam pelo restabelecimento da justiça por meio da instalação de uma Comissão da Verdade. Eles não conseguiam se conter: ora aplaudiam os oradores, ora teciam comentários e, às vezes, simplesmente buscavam, nos cartazes de desaparecidos, antigos colegas de cela.

Houve um momento que foi especialmente significativo para mim: a homenagem aos religiosos que, clandestinamente e sob enorme risco, desenvolveram o projeto Brasil Nunca Mais. D. Paulo Evaristo Arns não quis ser homenageado, enviando um pedido de desculpas no qual dizia não se julgar merecedor. Mas, quando o rosto dele apareceu no vídeo, mais uma vez ouvi uma voz emocionada atrás de mim: “esse foi o único que teve coragem de me visitar na prisão!” Logo em seguida assistimos a um vídeo com o pastor James Wright inaugurando o Monumento Tortura Nunca Mais em Recife, em 1993, com palavras contundentes e a mesma atitude firme que teve ao assumir o projeto de documentação em plena ditadura. Exemplos de uma fé corajosa e comprometida com o próximo, que recebeu longos aplausos de pé.

Representando uma equipe de mais de 30 integrantes trabalhando em sigilo, além do pastor James e dom Paulo foram homenageados também Paulo Vannuchi, ex-ministro da Secretaria Especial de Direitos Humanos, e a advogada Eny Raimundo Moreira, que foi a pessoa responsável pelo pontapé inicial no projeto Brasil Nunca Mais. Ela contou que trabalhava no escritório do advogado Sobral Pinto e sempre o ouvia se lamentar do desaparecimento da documentação acerca da ditadura Vargas. A história do Dr. Sobral plantou a ousada ideia em seu coração. Eny apresentou o projeto ao pastor Charles Harper, então Secretário do Conselho Mundial de Igrejas, e recebeu uma resposta animadora: o CMI financiaria o projeto se ela obtivesse a aprovação de Arns e Wright. Assim se fez. “A luta contra o poder é a luta da memória contra o esquecimento”, disse a Dra. Eny.

E para que essa história nunca caia no esquecimento, ouvimos os dois depoimentos mais marcantes do ato público. O metodista Anivaldo Padilha, associado da organização ecumênica Koinonia e a luterana Eliana Rolemberg, diretora executiva da CESE contaram como sua experiência como jovens militantes do movimento ecumênico, na luta por direitos sociais, e as torturas que sofreram ao serem presos pela Operação Bandeirantes (Oban), um braço clandestino da repressão.

Depois de uma saudação especial aos jovens presentes, Padilha pediu licença para mencionar o nome de alguns companheiros mortos pela repressão: Paulo Wright (irmão do pastor James Wright), Heleni Guariba, os jovens metodistas Celso Cardoso e Fernando Cardoso.

Anivaldo e Eliana foram presos em 28 de fevereiro de 1970. Anivaldo era, então, secretário regional para o Brasil da União LatinoAmericana de Juventude Ecumênica e redator de revista metodista Cruz de Malta. Logo ao chegarem ao Oban, Anivaldo recebeu um golpe no estômago que o deixou sem ar. A partir daí, começou uma sucessão de torturas físicas que o fizeram até pensar em suicídio. Afinal morrer parecia inevitável e ele não conseguiria viver com a culpa de delatar companheiros. Mas não havia nada na cela com que se matar. “Nem a opção de suicídio me era disponível”, disse. “Iniciei um processo de revisão de minha vida, sobretudo de meu envolvimento pessoal na Igreja Metodista, baseado na espiritualidade encarnada no mundo. Foi essa espiritualidade que me levou a dedicar-me à solidariedade dos oprimidos. Percebi que minha vida não me pertencia, eu a tinha entregue a Deus. Isso me deu forças para continuar”.

Anivaldo se perguntava como havia tantos homens para espancá-lo, sendo ele tão franzino. “Percebi que moralmente eu era mais forte e tinha condições de resistir”. Do auge do desespero, lentamente Anivaldo foi invadido por tranqüilidade e adormeceu. Quando acordou, percebeu que estava sofrendo de amnésia. Não conseguia se lembrar dos nomes de seus companheiros. Em pouco tempo, os torturadores perceberam que força nenhuma o faria falar. “Foi um fenômeno para o qual nunca consegui explicação a não ser pela fé”, disse ele.

Após ser solto, mas ainda correndo risco de vida, Anivaldo recebeu ajuda do Conselho Mundial de Igrejas para ir ao Uruguai, de onde se mudou para os Estados Unidos e, depois, Genebra, sede do CMI.  Só pode conhecer seu filho, o atual ministro da saúde Alexandre Padilha, quando o menino tinha 8 anos de idade.  Com a lei de anistia, pôde, enfim, voltar ao Brasil. Mas demorou ainda muitos anos para que ele superasse o trauma. Por seis anos seguidos sonhava com as torturas. “Os torturadores continuavam dentro de mim. Eu tinha que vencê-los”. O perdão foi o caminho da superação, mas Anivaldo fez questão de explicar que o perdão, relação interpessoal que cura aquele que perdoa, não elimina a necessidade de justiça. “Os crimes cometidos não foram apenas contra mim, mas contra a sociedade. Romper o ciclo da impunidade é a única maneira de evitar que isso se repita. Quero terminar citando o profeta Jeremias. Quero trazer à memória o que me pode dar esperança. Minha esperança é que a memória sirva para que Brasil, Nunca Mais!” (leia depoimento na íntegra, em link ao final da matéria)

Ao receber a palavra, Eliana Rolemberg disse que havia feito um “treinamento” para não chorar naquele momento. Não conseguiu. Mas ela não foi a única. Estava acompanhada de todo o auditório. O depoimento dela também foi muito doloroso. Eliana tinha uma filhinha de oito meses quando foi presa. Ficou numa cela junto com uma moça chamada Damares, que tinha acabado de ver o marido ser assassinado em frente aos três filhos do casal. Damares não sabia o que seria feito das crianças. Eliana também não sabia como estava a filha. Uniram-se no sofrimento.

Além das torturas físicas, os torturadores submetiam Eliana ao mais cruel dos sofrimentos, ameaçando sua filha. Brincavam com seu desespero: “Eles diziam que tinham comprado um pau-de-arara da Trol (famosa fábrica de brinquedos da época) e que viriam com ela”.

Eliana contou também que, ainda hoje, emociona-se ao ouvir uma música do Dorival Cayimmi que os presos políticos cantavam para animar os que eram chamados da cela à sala de torturas:

Minha jangada vai sair pro mar
Vou trabalhar, meu bem querer
Se Deus quiser quando eu voltar do mar
Um peixe bom eu vou trazer
Meus companheiros também vão voltar
E a Deus do céu vamos agradecer



Só que muitos não voltavam....

Anos depois, já no Brasil, Eliana Rolemberg recebeu do governo um pedido formal de perdão. Foi nesse dia que ouviu da filha: “Agora que o Estado te pediu perdão, acho que vou conseguir ser brasileira”.

Suzel Tunes

Saiba mais:


O DEPOIMENTO DE ANIVALDO PADILHA, NA ÍNTEGRA

Reportagem do site da Sede Nacional da Igreja Metodista. CLIQUE AQUI PARA ACESSAR

Reportagem do site da Universidade Metodista, com álbum de fotos. CLIQUE AQUI PARA ACESSAR.


http://www.armazemmemoria.com.br/ - site do Armazém Memória


A REPERCUSSÃO NA IMPRENSA:

Documentos brasileiros sobre tortura durante a ditadura são repatriados http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2011/06/documentos-brasileiros-sobre-tortura-durante-ditadura-sao-repatriados.html

http://g1.globo.com/brasil/noticia/2011/06/documentos-brasileiros-sobre-tortura-no-regime-militar-sao-repatriados.html

Documentos revelam bastidores da ditadura no Brasil http://www.band.com.br/jornaldaband/

Ministério Público coloca arquivos da
época da ditadura militar na internet
http://noticias.r7.com/brasil/noticias/ministerio-publico-coloca-arquivos-da-epoca-da-ditadura-militar-na-internet-20110615.html

Procuradoria vai colocar documentos da ditadura na internet

http://www1.folha.uol.com.br/poder/930087-procuradoria-vai-colocar-documentos-da-ditadura-na-internet.shtml

ONU faz apelo para que Brasil inicie investigação imediata sobre a tortura nos anos da ditadura

http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,onu-faz-apelo-para-que-brasil-inicie-investigacao-imediata-sobre-a-tortura-nos-anos-da-ditadura,732160,0.htm

Comunicar erros


Receba informações de oferecimento sobre esse curso: