Ir para o conteúdo.

Ferramentas Pessoais

Facebook da Metodista Youtube da Metodista Twitter da Metodista Linkendin da Metodista
Você está aqui: Página Inicial / Fateo / Materiais de Apoio / Estudos Bíblicos / O livro de Rute

O livro de Rute

Estudo produzido pelo prof. Tércio Machado Siqueira, professor de Antigo Testamento da FaTeo

PRIMEIRA PARTE

Ler o texto, através de um "Raio X", para conhecê-lo a partir do seu interior

Recomendação: Ler o livro de Rute, seguindo a estrutura exposta abaixo.

Primeiro ato: O cenário da história de Rute - 1.1-5

I. A família de Elimelec e Noemi deixa Judá para morar em Moab 1.1-2.

    relativo à data - "no tempo em que os juízes...".
    razão da mudança - "... houve uma grande fome no país e ...".
    identificação das pessoas ligadas a Elimelec e Noemi - 1.1b-2a.
    chegada a Moab - 1.2b.


II. Relato sobre o desastre que caiu sobre a família de Elimelec e Noemi - 1.3-5.

    A morte de Elimelec, esposo de Noemi - 1.3.
    O casamento dos filhos de Noemi, com Orfa e Rute - 1.4.
    A morte dos dois filhos de Noemi - 1.5.

Segundo ato: Noemi decide voltar para a terra natal - 1.6-18.

I. Noemi e as noras discutem a mudança para Judá - 1.6-7.

II. A despedida - 1.8-18.

  •  primeira etapa: Noemi ordena que Rute e Orfa fiquem em Moab e as abençoa 1.8-10.
  • a despedida de Noemi - 1.8-9a
  • a reação de Rute e Órfã: elas choraram para acompanhar Noemi - 1.9b-10
  • segunda etapa: Noemi aconselha as noras para permanecerem em Moab - 1.11-13.
  • ordem - 1.11a.
  • primeira razão: Noemi se declara impossibilitada de ter filho - 1.11b
  • ordem - 1.12a
  • segunda razão: Noemi se declara velha para se casar - 1.12b.
  • terceira razão: Rute e Orfa não poderiam esperar tanto tempo - 1.13.
  • terceira etapa: Orfa decide ficar em Moab e Rute segue com Noemi - 1.14-18.
  • Noemi apela para Rute ficar com seus parentes e com seus deuses - 1.14-15.
  •  Rute recusa e declara: "Onde fores, irei eu..." - 1.16-17.
  • Noemi se convence da decisão de Rute - 1.18.



Terceiro ato: Noemi e Rute chegam e se estabelecem em Belém - 1.19-22.

I. A chegada e a reação da cidade, das mulheres e de Noemi - 1.19-20

    O alvoroço despertado pela chegada de Noemi - 1.19.
    A reação de Noemi - 1.20-21.


    Sumário dos últimos acontecimentos - 1.22.


Quarto ato: Rute, a moabita, é acolhida nas terras de Boaz - 2.1-17.

I. Boaz é introduzido na história - 2.1.

    A permissão de Noemi para Rute respigar nos campos de Boaz - 2.2-3.
    Conversa de Boaz com os segadores - 2.4-7.

    Saudação e bênção - 2.4.
    Boaz identifica Rute, através do feitor - 2.5-7.


    Boaz conversa com Rute - 2.8-13.

    Boaz demonstra cuidado para com Rute - 2.8-9.
    Reação de Rute - 2.10.
    Resposta de Boaz - 2.11-12.
    Reação de Rute - 2.13.


III. Rute encontra com Boaz à mesa de refeição - 2.14-17.

    Boaz convida Rute para sentar com ele à mesa - 2.14.
    Ao fim da refeição, Boaz ordena aos segadores cuidado para com Rute - 2.15-16.
    O respigar de Rute - 2.17.


Quinto ato: Rute narra os últimos acontecimentos para Noemi - 2.18-23.

I. A volta de Rute e a reportagem sobre o seu respigar - 2.18.

II. A conversa entre Rute e Noemi - 2.19-22.

    Rute conta a Noemi o nome de seu patrão - 2. 19.
    Noemi identifica Boaz como seu parente próximo - 2.20.
    Noemi aprova e faz recomendações a Rute - 2.21-22.


III. Informações sobre o respigar e moradia de Rute - 2.23.


Sexto ato: O plano de Noemi para Rute e Boaz - 3.1-15.

I. O plano de Noemi - 3.1-5. - Noemi convence Rute sobre sua felicidade futura - 3.1. - Noemi instrui Rute sobre a visita à eira de Boaz - 3.2-4. - A resposta obediente de Rute - 3.5.

II. A visita de Rute à eira - 3.6-15.

    Rute cumpre as recomendações de Noemi - 3.6-8.
    Rute revela a Boaz que ele tem o dever de ser o "resgatador" da família - 3.9
    A reação de Boaz - 3.10-13.

    Boaz abençoa Rute, por sua bondade - 3.10
    Boaz declara que vai cumprir a prescrição divina de "resgatador" - 3.11-13.

    Boaz previne contra um escândalo na comunidade - 3.14-15a+b.
    Rute volta para a casa de Noemi - 3.15c.


III. Rute reporta a Noemi os acontecimentos da noite anterior - 3.16-18.


Sétimo ato: Boaz, o segundo na ordem do direito ou dever de "resgate"

vai ao portão da cidade de Belém, discutir com o primeiro "resgatador" - o parente mais próximo - diante da corte de juízes, composta por dez anciãos.

I. Boaz toma a iniciativa na discussão do resgate de Rute - 4.1-2.

    Com o primeiro "resgatador" - 4.1
    Com as testemunhas e dez anciãos - 4.2


II. Boaz discute a forma de "resgate" da terra de Noemi com "resgatador" - 4.3-6.

    Boaz explica o direito ou dever do "resgatador" retomar a terra da família - 4.3-4a.
    O "resgatador" concorda em redimir a terra - 4.4b.
    Boaz explica que o resgate da terra implica no casamento com Rute - 4.5
    O "resgatador" declina em favor do direito de Boaz - 4.6


III. O acordo entre o "resgatador" e Boaz é assinado - 4.7-12.

    O acordo é concretizado pelo simbolismo da troca das sandálias - 4.7-8
    Boaz torna pública o seu compromisso, aos anciãos e testemunhas - 4.9-10
    As testemunhas reconhecem a aquisição dos direitos por parte de Boaz e saúdam Boaz, felicitando-lhe e desejando-lhe prosperidade no casamento com Rute - 4.11-12.


Oitavo ato: A história de Rute termina com o seu casamento com Boaz.

A felicidade do casal se torna mais completa com o nascimento do filho Obed que é descrito como um ancestral de Davi.

I. Reportagem do casamento e nascimento do primeiro filho de Rute e Boaz - 4.13

II. Noemi é exaltada por esses acontecimentos, pelas mulheres - 4.14-17.

III. Apêndice: a genealogia de Davi: de Farez a Obed - 4.18-22.



SEGUNDA PARTE

O livro de Rute e a sua relação com a história de Israel e do Antigo Oriente Médio

Data

(1) O acontecimento narrado: O livro de Rute narra uma história do tempo dos juízes, antes de se instalar a monarquia em Israel. Essa história era tão querida e tão importante para a formação do povo bíblico que ela foi guardada e transmitida, oralmente, por vários séculos, até se tornar um documento escrito e incluído no livro sagrado de Israel.

(2) A editoração da história: A publicação escrita do livro de Rute deu-se após o período de Esdras. É sabido que nesse período, Esdras editou a Tora, o ensino divino (o Pentateuco) e deu muita ênfase ao cumprimento de suas palavras. Todavia, o povo procurava cumprir as formalidades externas da lei, sem procurar relacioná-la à vida humana e suas carências básicas, a saber, o amor, a bondade, a compaixão. Foi nesse momento que o povo crente fez uso da história de Rute, para mostrar às pessoas que o amor é mais importante que a letra da lei.

(3) A canonização como texto sagrado: Foi no período pós-exílico que o povo fiel decidiu a separar e tratar essa história como uma "palavra inspirada de Deus". O critério de escolha dos livros sagrados, por parte da comunidade de crentes, baseou-se na inspiração divina, e nunca na beleza estética e literária da composição.


Questões para pensar:

  • Por que a história de Rute levou tanto tempo para ser escrita? Será que o povo que guardou e transmitiu a história de Rute e Noemi era analfabeto? No período 1000, antes de Cristo, o papiro ainda não era usado? Para que finalidade a história de Rute e Noemi foi usada: para o entretenimento das famílias e do povo? Para o prazer de uma boa leitura? Para a busca de informações sobre a vida e cultura do povo israelita no período anterior à monarquia? Como uma história significativa e instrutiva para o povo? Como um constante testemunho para as gerações do presente e do futuro?
  • Por que não guardamos e transmitimos o testemunho de mulheres e homens de nossa igreja local?




Lugar

A história, contada pelo livro de Rute, transcorre em dois lugares: as regiões montanhosas de Moab (na Transjordânia) e de Belém (em Judá). Alguns detalhes dessa história são valiosas para a reflexão:

  •  Rute e Orfa eram moabitas, isto é, estrangeiras, enquanto que Noemi, Elimeque e os filhos Malom e Quilion eram israelitas.
  • Tanto em Moab como Belém não possuíam templo, rei e sacerdote. Isso é uma prova que a história de Rute é do tempo dos juízes (1200-1030 a.C.).
  • O livro mostra que a vida não estava fácil para a população de Judá. Havia fome entre as famílias que viviam na periferia dos centros de produção agrícola (Rt 1.1). Apesar das dificuldades, a família de Noemi - Elimeque (esposo), Malom e Quiliom (filhos) - não perderam a fé e a esperança em Javé.


(4) Belém é uma cidade situada sobre as montanhas a dez quilômetros de Jerusalém, ao sul do território de Canaã (mais tarde denominada Terra de Israel). Belém é uma cidade importante para a história bíblica. É terra natal de Davi e de Jesus, e onde Gn 35.16-20 menciona estar o túmulo de Raquel. Quanto à Moab, trata-se de uma região montanhosa localizada ao leste do Mar Morto, por onde Moisés passou antes de atingir o Monte Nebo e entrar em Canaã. O povo de Moab era aparentado com os israelitas, mas sempre considerados estrangeiros.

Questões para pensar:

  • Por que o cenário da história de Rute e Noemi é tão negativo: fome, semi-deserto, morte e amargura? Será que a periferia é dos espaços preferidos para Deus agir? Será que a periferia é um dos cenários preferidos da Bíblia para fazer nascer a esperança?
  • Pensar que o povo de Israel nasceu no deserto, isto é, na periferia da terra de Canaã; Pensar que Jesus nasceu na estrebaria, isto é, periferia da cidade de Belém, e que o ministério de Jesus também teve início no deserto, periferia de Judá.
  • Apesar das dificuldades próprias da vida na periferia, a Bíblia quer valorizar e aprofundar o sentido da vida em família.


Os motivos que levaram a história de Rute ser guardada na memória do povo israelita, transmitida e, finalmente, editada na Bíblia


Motivos estéticos

O seu livro foi escrito numa forma de novela, certamente, para atrair mais a atenção dos ouvintes e leitores. Esteticamente é uma leitura agradável e prazerosa. A história possui um enredo principal (a trajetória da moabita Rute até se tornar parte da genealogia de Davi e Jesus). Todavia, a história não dispensa os elementos secundários, pois eles ajudam a compor o belo e charmoso conjunto literário. Por ser uma narrativa perfeita, muitos novelistas, teatrólogos e produtores de cinema tomaram e projetaram a história de Rute como tema.

Também não passava, pela cabeça do povo bíblico, tomar as pequenas histórias, como a de Rute, com a intenção de entretenimento e lazer. Parodiando o profeta Jeremias, o povo não cavava poço onde não havia água (Jr 2.13).

**Observação:** o autor ou autora não se preocupou, basicamente, com a beleza literária de seu livro.


Motivos históricos:

Os historiadores modernos não levam a sério a veracidade dessa história. Todavia, é preciso levar em conta alguns detalhes importantes para o estudo do livro:

Primeiro, os historiadores modernos descrevem a história através do critério da factualidade, isto é, do ocorrido, do fato acontecido.

Segundo, o povo bíblico tinha um outro jeito de descrever um fato histórico. A Bíblia conta a história através de

    novelas (como o livro de Rute),
    fábula (como a de Joatão, Jz 9.7-15),
    contos (como o de José, em Gn 37-47).
    saga heróica (como a de Moisés, narrada pelos livros Êxodo e Deuteronômio).


Terceiro, os historiadores e historiadoras da Bíblia mostram uma forma alternativa de narrar a história: eles/as contam a história priorizando a mão de Deus, intervindo nos acontecimentos. O ceticismo, às vezes, e o constante interesse pela análise científica dos fatos acontecidos, colaboram para que os/as historiadores/as modernos/as optem por este critério.

**Observação:** A Bíblia não está preocupada em apresentar provas da historicidade dos testemunhos contados por seu povo.


Motivos pedagógicos

O livro conta uma história ocorrida no período dos juízes, isto é, entre 1200 e 1030 anos antes de Cristo, aproximadamente. Certamente, a situação do povo bíblico era de desobediência, pois o livro mostra que a disciplina da comunidade estava fraca: a "lei do levirato" (ler Dt 25.5-10 e Gn 38) - que obrigava um irmão, ou parente mais próximo, a casar-se com a viúva do irmão ou parente falecido - não estava sendo aplicada. Por que razão o povo fez uso dessa história?

Primeiro. Algo errado estava ocorrendo na comunidade do povo bíblico, e quando isso ocorria, as pessoas lançavam mão de fórmulas de solução:

  •  Recorriam às formulações legais. Nesse caso, eles liam e analisavam a instrução divina (Dt 25.5-10). É bom lembrar que o ensino divino por excelência está basicamente nos cinco livros, o Pentateuco. O Salmo 19 afirma que o ensino do Senhor é perfeito e restaura a vida (Sl 19. 7-10).
  • Lançavam mão de histórias pessoais ou testemunhos de pessoas que foram guardados na memória do povo como exemplo de solução para esses problemas particulares. Assim, as histórias de Judá e Tamar (Gn 38) e Rute ajudavam a corrigir as pessoas infratoras.
  • Tudo faz crer que as formulações de leis, como Dt 25.5-10, não eram simpáticas ao povo, mas as histórias, contendo exemplos de vida, eram mais usadas e assimiladas pela população. Daí, a importância do livro de Rute.
  • A prática de recorrer às pequenas histórias do povo é comum ao povo bíblico. A finalidade dessa prática era, e continua sendo, a busca de informações, pistas e soluções para enfrentar os problemas do dia-a-dia. A prática de recorrer as histórias do passado foi comum nos período de grande tribulação e dificuldade. Muitas eram as finalidades:


    para revigorar e alentar a fé do povo crente e oprimido,
    para saber como o povo do passado enfrentava os desafios,
    para iluminar o presente e projetar o futuro.


Essa prática tornou-se comum nos séculos que se seguiram ao exílio babilônico (550 a 300 anos antes de Cristo). Daí, surgiu um novo método de estudo da Bíblia, chamado "Midraxe", uma palavra hebraica que tem sua raiz no verbo "buscar".

Por exemplo, durante o cativeiro na Babilônia, um profeta do Senhor leu e reinterpretou a história do êxodo do Egito (Isaías 40.1-55.13). Enfrentando o exílio, o profeta levou o povo a saber como Deus salvou os irmãos e irmãs do passado, nas mesmas condições.


TERCEIRA PARTE

O livro de Rute conduz muitas lições que o povo soube captar e usar nos momentos oportunos

Lições que o livro de Rute nos traz

(1) Dos nomes

Tudo tem sentido na história de Rute. As/os personagens desta história têm nomes cujos significados ajudam a revelar a função de cada pessoa dentro dessa inteligente e inspirada novela. Tal como o sábio disse: "A glória de Deus é encobrir as coisas" (Pr 25.2), assim é o livro de Rute que não oferece tudo pronto para os seus leitores ou suas leitoras. Assim é o nome das/os personagens do livro: eles podem ajudar a entender a mensagem dessa história.

    Elimeleque (marido de Noemi) significa meu Deus é rei;
    Noemi (esposa de Elimeleque) significa minha alegria, meu prazer;
    Mara (outro nome de Noemi, Rt 1.20) significa amarga;
    Maalon (filho de Noemi e Elimeleque) significa doença;
    Quelion (filho de Noemi e Elimeleque) significa fragilidade;
    Orfa (nora de Noemi e Elimeleque) significa costas, nuca;
    Rute (nora de Noemi e Elimeleque) significa amiga, companheira;
    Boaz (parente de Noemi) significa pela força;
    Obed (filho de Rute e Boaz) significa servo.

A partir dos nomes é possível interpretar a história de Rute: É possível, através do significado de cada nome, traçar o roteiro da história de Rute, bem como perceber a sua intenção. Assim, o rei não existe no período dos juízes, mas Deus é o governo supremo (Elimeleque). Maalon e Quelion são israelitas, mas por suas fraquezas e enfermidades morrem para dar lugar a Obed, o novo homem, sem as características reais, mas as de servo. A nova geração de povo de Deus terá a força de Boaz e o companheirismo amável de Rute. O futuro da comunidade chamada por Deus está, assim, marcado pela amizade de Rute, a alegria de Noemi, pela força de Boaz e a conduta de servo Obed. Quanto à Orfa, ela virou as costas e se perdeu o trem da história da salvação que seguirá em frente, chegando em Jesus. É a linha de esplendor sem fim.

(2) A valorização dos compromissos familiares.

A solidariedade na família não está funcionando. Este é o recado do livro de Rute. Quando os compromissos entre os membros da família andam frouxos, lê-se a história de Rute. Por quê?

(a) A lei do levirato. A história de Rute é para ser lida junto a Deuteronômio 25.5-10 e Gênesis 38.1-30. Todos estes três textos estimulam o povo bíblico a levar a sério a instituição da família. O texto de Deuteronômio 25.5-10 legisla sobre o assunto. As histórias e Judá e Tamar (Gênesis 38) e de Rute mostram duas aplicações dessa lei para servir como exemplo para o povo. Para que não haja órfãos (meninos/as de rua) e viúvas desprotegidas na sociedade israelita, a instrução divina é para que, em caso de morte do marido, o irmão mais velho assumisse a condição de protetor da casa enlutada, tomando a viúva e os filhos ou as filhas órfãos. A finalidade dessa lei era evitar que houvesse viúvas e crianças sem lar.

(b) A aplicação da lei do Levirato. No período da reconstrução do povo bíblico, após o desastre das perdas da terra e do rei, e a destruição de Jerusalém, o povo começou a buscar com mais intensidade as instruções divinas, através das leis e dos testemunhos históricos. Na verdade, a liderança queria reconstruir a nação com as práticas mais saudáveis do passado. O povo sabia que reforçando os compromissos familiares, ele estava profetizando um futuro feliz para a nação.

(3) A valorização da pessoa e não da raça.

O livro de Rute foi guardado e transmitido por grupo de pessoas que estavam convictas que Javé é o Senhor do universo, e não somente do restrito grupo de judeus. Por isso, o livro de Jonas e a história de Rute têm a mesma intenção, a saber, o compromisso de Deus é com as pessoas e não simplesmente com a raça dos judeus. Este ponto foi muito bem entendido e proclamado por Jesus, particularmente, Paulo (ler e reflexionar sobre o conflito entre Paulo e Pedro sobre este assunto.................).

(4) A lei deve estar a serviço da vida.

A história de Rute é uma formidável afirmação de que a lei deve ser tomada e aplicada para trazer e criar o bem-estar na comunidade. Aqui, a lei entra na história de maneira sutil e escondida para prestar serviço a uma pessoa que se achava angustiada. É interessante observar que a Bíblia fala muito em disciplina (lei), justiça e direito. Especialmente, o Antigo Testamento dá muito espaço para as normas e disciplinas na comunidade, todavia as leis deveriam ser aplicadas, preferencialmente, quando a justiça for acompanhada de bondade, amor, compaixão, fidelidade, lealdade e paz (ler e reflexionar sobre o Salmo 85).

(5) A lealdade entre Noemi e Rute anuncia a graça e a salvação.

O livro de Rute quer resgatar e aplicar esse valor na sociedade israelita. Trata-se de uma lealdade que supera todos os preconceitos e anuncia o novo tempo da graça (ler e meditar sobre as palavras de Rute para Noemi, em Rt 1.16-17).

(6) A esperança nasce em Belém.

É interessante observar que a Bíblia liga a esperança a lugares e pessoas simples e humildes. A cidade de Belém fica na periferia da Canaã e a família de Noemi, sofrendo os horrores da seca e fome, foi obrigada a migrar para uma terra distante e estranha. Com isso, a história de Rute quer mostrar que a esperança acontece quando há seriedade e fidelidade no Senhor. Noemi, Rute e Boaz são sinônimos de fidelidade.

(7) O menino Obed é mais do que um homem: é o nascer do novo mundo.

O rei morreu; a fraqueza e a enfermidade continuam ameaçando; o virar as costas para a salvação é uma realidade entre o povo; a fome e a busca de um teto para morar e lugar para ganhar o pão de cada dia continua incomodando. Apesar de todos esses impedimentos que a vida expõe diante das pessoas, é possível reconhecer que Deus está agindo no mundo, através do servo de Deus.

PUBLICAÇÕES
X
Baixe aqui o aplicativo da Metodista

GRÁTIS - Na Store