Ir para o conteúdo.

Ferramentas Pessoais

Facebook da Metodista Youtube da Metodista Twitter da Metodista Linkendin da Metodista
Você está aqui: Página Inicial / Fateo / Materiais de Apoio / Estudos Bíblicos / Deixa estar por enquanto, porque assim nos convêm cumprir toda a justiça

Deixa estar por enquanto, porque assim nos convêm cumprir toda a justiça

(Mt 3.15)

Estudo produzido pelo prof. Tércio Machado Siqueira, professor de Antigo Testamento da FaTeo

Preâmbulo

A intenção deste estudo é conhecer o significado de "justiça" no Bíblia. Pretendo começar pelo Novo Testamento (NT). As seis citações, abaixo mostradas, pertencem ao NT, e o conceito de "justiça" nelas mostrado, não parece adequar com a definição secular, conforme o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, publicado pela Editora Objetivo, Rio de Janeiro, 2001: "Justiça é o caráter, qualidade do que está em conformidade com o que é direito com o que é justo; princípio moral em nome do qual o direito deve ser respeitado".

Evidentemente que o conceito secular de justiça também se encontra nos escritos do NT. Jesus e os seus discípulos estão sempre em confronto com o conceito secular de justiça e lei. Assim: Guardai-vos de praticar a vossa justiça diante dos homens para serdes vistos por eles (Mt. 6.1)

Na reportagem sobre o julgamento de Jesus, no Sinédrio, Mateus não cita a palavra "justiça", talvez, porque o conceito que ele possuía não se assemelhava ao dos juízes a serviço do Império Romano (conforme Mt 26.57-68).

Eis alguns textos do NT que mostram um conceito diferente do secular:

Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça... (Mt 6.33)

Porque nele a justiça de Deus se revela de fé para a fé, conforme está escrito: 'o justo viverá da fé (Rm 1.17)

Por conseguinte, assim como pela falta de um só resultado a condenação para todos os homens; do mesmo modo, da obra de justiça de um só, resultou para todos os homens justificação que traz a vida. (Rm 5.18)

... como imperou o pecado na morte, assim também imperasse a graça por meio da justiça, para a vida eterna, através de Jesus Cristo... (Rm 5.21)

... segue a justiça, a fé, a caridade, a paz com aqueles que, de coração puro invocam o nome do Senhor. (2Tm 2.22)


Conclusão 1:

1. Através destes textos do NT, percebe-se que a palavra "justiça" está próxima de termos como:
Reino de Deus,
fé, fidelidade,
justificação que traz vida e vida eterna,
amor e paz.

2. Os textos bíblicos mencionados não identificam a "justiça" com tribunal, lei, julgamento, condenação, prisão etc.

3. Diante desta constatação, surge uma questão: qual é a origem desse conceito que Jesus e todo o NT apresentam? Certamente no AT.

O conceito de "justiça" no Antigo Testamento (AT)

O primeiro conceito de "justiça" vem do mundo secular. O interesse na "justiça", na Bíblia, tem sua origem nas exigências pela justiça social e política, bem como pelos direitos humanos. A Bíblia, como um todo, não nega a importância dessas demandas, porém reinterpreta os objetivos da "justiça", para dar-lhe um novo significado.

Diante dessa tarefa de resignificar o tradicional conceito de "justiça", faz-se necessário uma pergunta: "Qual é a base do AT para a reformulação do conceito de 'justiça'?"

Tentativa de resposta (em três itens):

  • A experiência de fé que o povo bíblico adquiriu na história. As normas e preceitos, contidos no Pentateuco (ou melhor, Torá que significa "instrução", "ensino divino"), são pautas para a formação e constituição de um povo.
  • Desde a origem, o povo bíblico experimentou o amor e a bondade de Deus, no seu dia-a-dia. A agressão, a violência, a opressão são termos desagradáveis na descrição da história bíblica. As leis substantivas e básicas que o Pentateuco/Torá contém estão baseadas na história da salvação: Eu sou Javé teu Deus que te fez sair da terra do Egito, da casa da escravidão (Ex 20.2).


Assim, as normas que seguem têm que ser lidas e obedecidas em razão do Senhor ter salvo o povo hebreu da escravidão.

  •  É interessante observar que o Pentateuco/Torá não contém somente leis. A maior parte dos cinco primeiros livros da Bíblia é constituída de narrativas. As narrativas, como a história de Moisés, embora sem a linguagem legal, constituem-se, na verdade, normas de conduta para o povo. Elas são formas pedagógicas para instruir o povo.
  • O povo bíblico foi formado e educado em torno dessa história da salvação. A celebração da Páscoa reforçou a memória dessa história. Nessa celebração, não havia lugar para ódio, mas salvação. Portanto, o povo foi educado em torno de experiências históricas que o levaram a mudar o seu modo de fazer justiça. O critério da justiça não mais era a lei escrita por seres humanos, mas o caráter do Deus que salva, perdoa e oferece oportunidade de uma nova vida.



O conceito de "justiça" no livro de Salmos

O livro de Salmos possui a maior ocorrência, de toda Bíblia, dos termos "justiça" e "direito". Em se tratando do hinário do Templo, usado nas celebrações comunitárias, é surpreendente esta constatação. O culto, no AT, estava intensamente preocupado com a justiça. Os salmos bíblicos mostram inúmeros exemplos de como o povo bíblico entendia a "justiça". É importante notar que as palavras "justiça" e "direito" estão sempre próximas dos termos "amor", "bondade", "fé/fidelidade", "paz" entre outras. Eis algumas demonstrações.

    Disciplina, instrução - torah

    O Senhor é bom e correto,
    e Ele ensina o caminho aos pecadores
    Ele encaminha os pobres conforme a justiça, direito. (Sl 25.8-9).

    Integridade - tom

    Eis a história de Noé:
    Noé era um homem justo, íntegro...
    e andava com Deus (Gn 6.9)

    Foi-te anunciado, ó homem, o que é bom, o que Senhor exige de ti:
    que pratiques o direito, amar a bondade e caminhar humildemente com o teu Deus. (Mq 6.8)

    Paz, vida plena - xalom

    Amor e verdade se encontram,
    Justiça e paz se abraçam
    da terra germinará a verdade
    e a justiça se inclinará do céu
    o próprio Senhor dará a felicidade
    E a nossa terra dará o seu fruto
    A justiça caminhará à sua frente
    E com seus passos traçará um caminho. (Sl 85.11-14)

    Bondade, misericórdia - hesed

    O Senhor realiza atos justos
    fazendo justiça a todos os oprimidos...
    O Senhor é compaixão e graça,
    lento para a cólera e cheia de bondade. (Sl 103.6 e 8)

    Compaixão - rahum

    Difundirão a lembrança da tua bondade imensa
    E aclamarão a tua justiça.
    O Senhor é piedade e compaixão;
    Lento para a cólera e cheio de amor;
    O Senhor é bom para todos,
    Compassivo com todas as suas obras. (Sl 145.7-9)

    Fé, verdade - emet

    Tens um braço poderoso,
    Tua mão é forte e tua direita elevada.
    Justiça e direito são a base do seu trono,
    Amor e verdade precedem a tua face, Senhor. (Sl 89.14-15)

    Fidelidade, lealdade - emunah

    O justo viverá por sua fidelidade. (Hab 2.4)

    Não escondi tua justiça no fundo do meu coração,
    Falei da tua fidelidade e de tua salvação;
    Não ocultei o teu amor e a tua verdade à grande assembléia. (Sl 40.11)


Conclusão 2:

1. Há um ditado latino que espelha bem a justiça secular: "Dura é a lei, mas é a lei". Nota-se nesse ditado a inflexibilidade e dureza da lei e sua aplicação. A Bíblia não define assim sua justiça.

2. A tradução do termo hebraico torah por "lei" é indevida. O substantivo torah vem da raiz verbal yarah que quer dizer lançar, ensinar, instruir. O Salmo 19.7-9 lança mais luzes sobre o significado de Torá.
A Tora de Javé é perfeita, faz a vida voltar;
O testemunho de Javé é firme, torna o sábio simples.
Os preceitos de Javé são retos, alegram o coração;
O mandamento de Javé é claro, ilumina os olhos.
O temor de Javé é puro, estável para sempre;
As decisões de Javé são verdadeiras e justas igualmente.

Nota-se que a Torá/lei do Senhor não é dura e inflexível. Pelo contrário, é tão perfeita que faz a vida voltar; é firme e torna o sábio simples, alegra o coração, ilumina os olhos. Por quê? A resposta está no critério do julgamento divino: amor, bondade etc.

3. Assim se desvenda o mistério nas palavras de Jesus para João Batista: Deixa estar por enquanto, pois assim nos convém cumprir toda a justiça. (Mt 3.15). A missão básica de Jesus Cristo não foi estabelecer um tribunal para julgar e condenar as pessoas.

PUBLICAÇÕES
X
Baixe aqui o aplicativo da Metodista

GRÁTIS - Na Store