Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Farol Empreendedor / Notícias de Empreendedorismo / Kombi de hot dog triplica vendas após ser reformada no 'Caldeirão do Huck'

Kombi de hot dog triplica vendas após ser reformada no 'Caldeirão do Huck'

Após passar por transformação no quadro "Lata Velha", do programa "Caldeirão do Huck" (TV Globo), em novembo de 2014, a Kombi de cachorros-quentes Samuca's Dog triplicou o número de clientes atendidos diariamente; clique nas imagens acima e veja a mudança.

28/05/2015 01h33

Uma Kombi branca com um trailer, usada para vender cachorros-quentes, ganhou decoração retrô com tinta vermelha, frisos de madeira e equipamentos de cozinha novos. Seis meses depois de passar por uma transformação no quadro "Lata Velha", do programa "Caldeirão do Huck" (TV Globo), em novembro de 2014, o Samuca's Dog triplicou o número de clientes atendidos diariamente.

Antes de aparecer em rede nacional ao lado do apresentador Luciano Huck, Samuel José Bernardo da Silva, 43, dono do Samuca's Dog, atendia cerca de cem clientes por dia em seu ponto, na zona norte de São Paulo. Hoje, segundo ele, em dias mais movimentados, chegam a ser atendidas 300 pessoas. O faturamento não foi informado.

"Participar do programa me ajudou muito. Alguns moradores da região que comem aqui dizem que nunca tinham reparado na Kombi antes", diz. "Acho que havia um certo preconceito porque, antes, ela era simples. Porém, o que mudou foi só o visual, as receitas e o cardápio são os mesmos."

Além dos hot dogs, que custam R$ 10, a Kombi vende hambúrgueres (R$ 15), café da manhã com suco natural e pão na chapa (R$ 6) e marmitex (R$ 19). Cada dia da semana tem um prato diferente. O mais procurado é o de quinta-feira: estrogonofe de frango com batata-palha e arroz, que, em homenagem ao apresentador Luciano Huck, chama-se "Loucura, Loucura, Loucura".

Cliente inscreveu vendedor de hot dog no programa

Apesar de o nome do quadro ser "Lata Velha", a Kombi modelo 2006 do empreendedor estava conservada. No entanto, antes de comprar o veículo, em 2013, por R$ 23 mil, Silva vendeu cachorro-quente por seis anos em uma perua de 1990. "Essa, quando vendi, estava bem judiada. Faltava até um pedaço do assoalho no lado do passageiro", afirma.

O empresário diz que o convite para participar do "Lata Velha" veio após um cliente de longa data inscrevê-lo no site do programa. "Na época, a produção estava procurando um food truck para reformar", declara. Foram 60 dias afastados da atividade enquanto o veículo passava pela transformação. Nesse período, Silva diz ter ficado dez dias no Rio de Janeiro para a gravação do quadro.

Antes de ver a mudança da Kombi, o vendedor de hot dog precisou cumprir uma prova. Ele teve de cantar a música "Hey Ya!", do grupo Outkast, no palco. Para ajudá-lo a memorizar a música, Silva diz que a produção do programa pagou para ele aulas de inglês. "Foi um mico bem grande, mas faria tudo de novo."

O custo das adaptações feitas na Kombi do Samuca's Dog foi de R$ 140 mil, segundo a Truckvan, que fez a transformação do veículo. De acordo com a empresa, é possível adaptar um veículo para vender hot dog a partir de R$ 75 mil. O valor inclui a customização, equipamentos de cozinha e mão de obra. O carro não está incluso.

Burocracia dificulta vida do empreendedor, diz especialista

Desde que a lei que libera a venda de comida de rua em São Paulo foi regulamentada, em maio de 2014, foram emitidas cerca de cem permissões para food trucks na cidade, segundo a Secretaria de Coordenação das Subprefeituras. Para conseguir um ponto, o empreendedor deve aguardar chamado público para espaços pré-determinados pelas subprefeituras.

Cláudio Carvajal, professor da Fiap (Faculdade de Informática e Administração Paulista), diz que a burocracia para conseguir autorização para instalar um food truck em espaços públicos pode atrapalhar o início do negócio. "A morosidade do poder público tem dificultado a vida do empreendedor", afirma. A Secretaria das Subprefeituras não informou o prazo médio para emitir as permissões.

Diante dessa dificuldade, a alternativa tem sido ocupar espaços privados, como estacionamentos e pátios de empresas. Segundo Carvajal, antes de abrir um food truck, o empresário deve calcular quantas refeições serão vendidas por dia, a lucratividade e o prazo para recuperar o investimento. "É um negócio como outro qualquer, precisa ter planejamento para aumentar a chance de sucesso", diz.

Onde encontrar:

Samuca's Dog: Rua Alfredo Pujol, altura do nº 506, Santana, São Paulo. Facebook: facebook.com/samucasdog

 

Afonso Ferreira
Do UOL, em São Paulo

Comunicar erros