Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Exatas e Tecnologia / Notícias / Engenharia deve reinventar-se de forma permanente

Engenharia deve reinventar-se de forma permanente

Abertura do COBENGE enfatizou necessidade de educadores e profissionais atualizados

09/09/2015 16h55 - última modificação 17/03/2016 14h32

Secretário Secoli, dirigente Nival de Almeida, Prof. Martins e reitor Capelle abrem Cobenge-2015 (Foto Leonardo Britos/FEI)

A velocidade das mudanças tecnológicas e dos desafios da população cada vez mais urbana (transporte, energia, segurança, sustentabilidade) coloca a Engenharia no centro dos problemas. Inovar e reinventar-se deixaram de ser mera retórica para se tornarem convocação obrigatória ao novo perfil profissional do engenheiro. Não à toa o tema da 43ª edição do COBENGE “Aprendizagem Ativa: Engenheiros Colaborativos para um Mundo Competitivo” visa a esta última fronteira, de preparar professores e alunos para o novo salto de qualidade e exigências da vida moderna.

Esta foi a ênfase da sessão solene de abertura do Congresso Brasileiro de Educação em Engenharia 2015, na noite de 8 de setembro, e também o fio condutor das plenárias e trabalhos do evento, sediado este ano na UFABC (Universidade Federal do ABC). Como destacou o presidente da associação setorial ABENGE, Nival Nunes de Almeida, o momento é de permanente mudança e a função da educação superior não é apenas difundir conhecimento. Isso os livros fazem. “A academia é um lugar para educar, pesquisar e avançar nos conhecimentos, além de disseminar novos valores”, resumiu, citando o jurista e educador Anísio Teixeira e reforçando: “Além de enfrentar os novos desafios econômicos e sociais, devemos refletir com ética e para o bem da humanidade”.

Nessa linha também se pronunciou o anfitrião e reitor da Federal do ABC, Klaus Capelle, ao dizer que o mundo do século 21 transformou os problemas locais em globais, daí a importância da aprendizagem ativa da Engenharia e de profissionais competitivos e internacionais. Ele conclamou a academia a fugir das ideias planas de uma única área e a praticar a interdisciplinaridade. “Se sou colaborativo com minha própria área, ganho em escala. Mas se colaboro com outras disciplinas, dou um salto de qualidade”, citou.

Integração PPP

Representando a cidade-sede do COBENGE 2015, São Bernardo do Campo, o secretário de Serviços Urbanos, Tarcisio Secoli, destacou a integração academia-poder público-empresas como item de primeira necessidade nos tempos atuais. “Não há mais lugar para a compartimentação, para a falta de inter-relação entre nós. Apartar as políticas públicas do conhecimento acadêmico e dos meios de produção resulta em prejuízos à sociedade”, afirmou.

Entre outras experiências de aproximação, o secretário municipal citou as parcerias público-privadas em torno da SBCSol, incubadora de projetos cooperativos apoiada pela Universidade Metodista, o APL (Arranjo Produtivo Local) de Ferramentaria Automotiva junto com a UFABC e Instituto Mauá de Tecnologia, o mapa industrial do Grande ABC em realização pela Universidade de São Caetano e o CISB (Centro de Pesquisa e Inovação Sueco-Brasileiro) visando à chegada do caça Gripen e que é integrado por escolas de engenharia da região.

Palestras, fóruns e Feira Tecnológica  

CobengeSantiMario.JPG
Professores Santi e Boaratti participam de plenárias

O Cobenge é considerado o mais importante fórum de discussão sobre formação e exercício profissional em Engenharia no Brasil, realizado anualmente desde 1973 pela Associação Brasileira de Educação em Engenharia (ABENGE). Cinco tradicionais escolas de Engenharia organizam a edição 2015, que vai de 8 a 11 de setembro: Metodista, FEI, Mauá, Fundação Santo André e UFABC. A coordenação na UFABC foi do professor Gilberto Martins, que mobilizou cerca de 600 participantes.

O tema central “Aprendizagem Ativa: Engenheiros colaborativos para um mundo competitivo” busca atender à demanda por um engenheiro mais bem preparado para lidar com as necessidades do mundo atual. A Aprendizagem Ativa, o Ensino Baseado em Problemas e o Ensino Baseado em Projetos extrapolam a atividade intelectual, vinculando-se às estratégias práticas desenvolvidas pelo mercado. Três palestrantes internacionais falam de Aprendizagem Ativa: Gregory James Light, da Northewestern University de Chicago (EUA); Maria Weurlander, do Royal Institute of Technology da Suécia; e Rui Lima, da Universidade do Minho (Portugal).

O COBENGE também reúne sessões plenárias na forma de Fórum de Dirigentes e Fórum de Alunos sobre “Ensino EAD e Ensino de Engenharia e as Necessidades do Mercado”. Além de Feira Tecnológica e dezenas de trabalhos e pôsteres, estão agendados 8 minicursos gratuitos aos participantes, com temas como “Educação Ambiental a Partir de Oficina de Reciclagem”, “Seis Sigma, o Método Mais Eficaz para Solução de Problemas” e “Introdução a Geodésia e aos Sistemas de Posicionamento/Navegação por Satélites”.

Completam a programação 4 visitas técnicas monitoradas às montadoras Volkswagen, Ford e Mercedes-Benz, além da Weidmuller Conexel.

A Universidade Metodista está participando e sendo representada pelo diretor da Escola de Engenharias, Tecnologia e Informação, Carlos Eduardo Santi, além dos professores Mário Boaratti, André Perin, Regis Reis e Márcia Sartori.

CobengeAndrePerin.jpg
Prof. André Perin acompanha apresentação de pôster
     
CobengeMarciaSartori2.jpg
Prof. Márcia Sartori modera exposições em PPT

Esta matéria foi publicada no Jornal da Metodista.
Conheça Outras.

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre: , , , , ,
FACULDADE DE EXATAS E TECNOLOGIA
PÓS-GRADUAÇÃO