Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Escola de Engenharias, Tecnologia e Informação / Notícias / Engenharia se tornou área flexível no século XXI, afirma docente da UFRGS

Engenharia se tornou área flexível no século XXI, afirma docente da UFRGS

Simone Ramires refletiu sobre o papel do engenheiro nos dias atuais

16/05/2018 17h55 - última modificação 17/05/2018 13h25

O que é ser engenheiro? Qual é o papel desse profissional no mercado atual? De que forma ele pode ajudar a sociedade e preencher lacunas? Esses são alguns dos questionamentos apresentados por Simone Ramires, docente da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), que palestrou no Seminário da Escola de Engenharias, Tecnologia e Informação (EETI) da Universidade Metodista de São Paulo.

Simone relembra que a engenharia sofreu transformações ao longo do tempo, deixando de ser uma área rígida e se tornando flexível, aberta a novas atuações. “Temos que identificar lacunas e pensar em soluções, sem medo de agir de forma audaciosa e de propor mudanças. Pensem no que pode ser mudado na casa de vocês, no bairro em que moram, na universidade ou na empresa onde trabalham”. 

A palestrante provocou reflexões sobre a relevância da profissão do engenheiro nos processos de inovação, assim como suas responsabilidades no mercado e na sociedade. “Ser engenheiro é pensar antes de fazer e buscar uma solução mais eficiente e sustentável”, diz. Ela ressalta que, atualmente, os profissionais da área precisam planejar e criar tecnologias e soluções para problemas de mobilidade, sustentabilidade, segurança, saneamento básico e educação: “Somos um país rico em recursos naturais, temos tudo para ser uma potência, mas precisamos de engenheiros que alavanquem esse processo”.

Como coordenadora de Projetos Especiais vinculados à Escola de Engenharia da UFRGS, ela também destaca que as universidades devem atuar como influenciadoras de inovação e empreendedorismo. “A função da gente é promover mudanças e melhorias, o conhecimento só é conhecimento quando é passado para frente”.

O professor Carlos Eduardo Santi, coordenador da EETI, comentou sobre os projetos desenvolvidos na Metodista, como os trabalhos vinculados ao Enactus Brasil, e os projetos desenvolvidos ao longo dos semestres pelos estudantes em sala.

“Queremos que vocês tragam ideias para que possam se envolver nesses projetos e levar para fora daqui tudo isso. O que vocês querem que as pessoas vejam do que têm feito na Universidade?”, diz o docente, chamando os alunos à participação de um novo projeto de engenharias que está em fase de desenvolvimento.

Confira toda a programação do seminário.

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre: , , , , , , ,
PÓS-GRADUAÇÃO
X