Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Escola de Engenharias, Tecnologia e Informação / Notícias / Empresas exigem engenheiros com competências múltiplas, diz palestrante do COBENGE

Empresas exigem engenheiros com competências múltiplas, diz palestrante do COBENGE

Convidado do COBENGE-2015, professor da Universidade do Minho fala sobre os 10 anos de implantação do PBL

12/04/2013 14h40 - última modificação 16/03/2016 19h39

Entre vários pré-requisitos de 1.132 anúncios em jornais em busca de engenheiros em Portugal, pesquisa da Universidade do Minho constatou que havia 1.658 exigências de conhecimento técnico na área, mas quase o triplo, ou 4.341, apontavam para a necessidade de competências transversais como liderança, línguas, comunicação e trabalho em equipe. Ou seja, as empresas acreditam que as escolas estão certificando profissionais com todas essas habilidades e ficou a pergunta: estão mesmo?

-- É certo que o mercado demanda além de especialistas em uma única área, responde professor Rui Lima, da Universidade do Minho (foto), que esteve na Universidade Federal do ABC dia 3 de agosto passado para palestra sobre a implantação, há 10 anos, do método PBL (Problem Based Learning, ou Aprendizado Baseado em Problemas) naquela instituição superior, onde o curso de Engenharia da Produção é considerado o melhor do país ao lado da Universidade do Porto.

O coração da estratégia do PBL parece simples: desde o primeiro semestre o aluno tem oportunidade de investigar protótipos e tem contato privilegiado com o setor produtivo ao longo da graduação para desenvolver trabalhos práticos, além de uma formação mais interdisciplinar. Significa que cada trabalho tem interação com professores de várias disciplinas, como matemática, física, química, cálculos e biologia, por exemplo, e não somente com o titular de uma área.

Estudantes dão notas

Outros atrativos são que o projeto é do aluno – uma forma de comprometê-lo a buscar concretizações – e os próprios estudantes avaliam os membros do grupo a partir da nota média do professor. Um guia do protótipo é compartilhado por alunos e professores para melhorar essa dinâmica de colaboração.

-- Os alunos acabam fazendo mais disciplinas porque a maioria se envolve seriamente com o projeto central do semestre, testemunha o professor, ao dizer que as melhores notas da graduação vêm daqueles que desenvolvem PBLs. A Universidade do Minho segue o Acordo de Bolonha, que considera o Mestrado Integrado em Engenharia e Gestão Industrial como soma do Bacharelado em três anos e Mestrado nos dois anos seguintes. Mais três anos, obtém-se título de Doutorado.

Engenheiro eletrotécnico, Rui Lima é do Departamento de Produção e Sistemas da Escola de Engenharia do Minho e falará no COBENGE-2015 (Congresso Brasileiro de Educação em Engenharia), que este ano será sediado na UFABC (Universidade Federal do ABC), em São Bernardo do Campo. Ele participará de sessão plenária na manhã de 9 de setembro e em workshop dia 11 de setembro sobre Aprendizagem Ativa e PBL.

Outros três conferencistas internacionais são aguardados para o evento: Gregory James Light, da Northewestern University de Chicago (EUA); Maria Weurlander, do Royal Institute of Technology da Suécia; e Erik de Graaff, da Aalborg University (Dinamarca). Veja a programação completa em http://www.abenge.org.br/cobenge-2015/2015/programacao_9

A experiência de 10 anos utilizando técnicas de Aprendizagem Ativa Baseada em Problemas já rendeu à Universidade do Minho 15 publicações em conferências internacionais, mobilização de 449 alunos em 63 equipes, 50 protótipos de 1º ano e 500 apresentações de estudantes. Bosh, Delphi, Continental, Siemens e SNA Europa são algumas empresas que demandam projetos ou se associam aos trabalhos. No início do curso, um mesmo projeto é dado para todos os 1ºs anos. No 4º ano, a aprendizagem envolve diretamente uma empresa, que fica nas mãos de um ou dois grupos.

COBENGE 2015

O Congresso Brasileiro de Educação em Engenharia é o mais importante fórum de discussão sobre formação e exercício profissional em Engenharia no Brasil, realizado anualmente desde 1973 pela Associação Brasileira de Educação em Engenharia (ABENGE). Este ano ocorre de 8 a 11 de setembro próximo. As inscrições vão até 2 de setembro para o Congresso e até 16 de agosto para participar de visitas técnicas, minicursos e workshops.


XLIII Congresso Brasileiro de Educação em Engenharia
Quando: 8 a 11 de setembro de 2015
Onde: Universidade Federal do ABC, campus São Bernardo do Campo (SP), Rua Arcturus, 03, Jardim Antares
Tema: Aprendizagem Ativa: Engenheiros Colaborativos para um Mundo Competitivo
Inscrições: até 2 de setembro pelo http://www.abenge.org.br/cobenge-2015/ e até 16 de agosto para minicursos, visitas técnicas e workshops
Organização: Universidade Metodista de São Paulo, Centro Universitário da FEI (Fundação Educacional Inaciana), Centro Universitário Fundação Santo André, Centro Universitário do Instituto Mauá de Tecnologia, Universidade Federal do ABC
Promoção: Associação Brasileira de Educação em Engenharia (ABENGE).

Esta matéria foi publicada no Jornal da Metodista.
Conheça Outras.

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre: , , , , , ,
PÓS-GRADUAÇÃO