Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Escola de Comunicação, Educação e Humanidades / Notícias / Diretor da Escola de Comunicação fala sobre eleições a mídias internacionais como CNA e Al Jazeera

Diretor da Escola de Comunicação fala sobre eleições a mídias internacionais como CNA e Al Jazeera

Professor Kleber Carrilho analisou a vitória de Jair Bolsonaro em veículos nacionais e do exterior

06/11/2018 16h15 - última modificação 07/11/2018 17h25

O desempenho do PT com Fernando Hadadd na disputa pela Presidência em 2018 foi pior em quase 70% das cidades brasileiras se comparado à ex-presidente Dilma Roussef em 2014. Segundo análise do portal G1, do sistema Globo, Haddad teve fatia menor de votos em quase todos os municípios com mais de 500 mil habitantes, o que foi atribuído pelo professor Kleber Carrilho ao fato de o partido ter maior poder de influência sobre lideranças de pequenos municípios.

Diretor da Escola de Comunicação, Educação e Humanidades e coordenador do curso de Marketing Político da Universidade Metodista de São Paulo, professor Kleber fez diversas análises para as principais mídias brasileiras sobre as eleições deste ano, falando inclusive a veículos internacionais como CNA de Tawain e o canal árabe Al Jazeera.

Para o jornal o Estado de São Paulo de 28 de outubro, por exemplo, o docente da Metodista comentou sobre o poder do ativismo político digital de Jair Bolsonaro (PSL). “Ele se tornou nas redes um produto discursivo. Um case interessante pela sequência de fatores que foram dando certo sem parecer planejada. Bolsonaro ocupou o vácuo de representação deixado pelo PT, aproveitou a onda de conservadorismo, foi impulsionado pela tecnologia e se consolidou como um personagem sem ser um objeto de uma construção política, mas sim de um discurso”, avaliou.

Já para o portal Exame.com, professor Kleber analisou por que nomes conhecidos da política nacional tiveram desempenho abaixo das expectativas nas urnas, casos de Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva (Rede) e Eduardo Suplicy (PT). Isso ocorreu pela incapacidade dos partidos em renovar os quadros. “Devemos ter instabilidade democrática pela falta de liderança, já que as siglas não conseguiram formar novos políticos. O ideal é que haja gente pronta em todas as gerações, mas há um vácuo”, citou.
Acompanhe a íntegra das entrevistas:

G1
Haddad tem pior desempenho que Dilma em quase 70% das cidades brasileiras

Exame.com
Analistas apontam falta de novos líderes políticos

O Estado de São Paulo
Bolsonaro eleito: campanha vitoriosa rompe paradigmas

Portal IG
Facada em Bolsonaro reforçou figura de "mito" e o ajudou a esconder falhas

Rádio CBN
Para articuladores de Haddad, forte adesão de evangélicos fez Bolsonaro crescer às vésperas do 1º turno

Al Jazeera
Resultados eleitorais brasileiros aprofundam divisões

CNA – Tawain
Quem pode vencer a primeira rodada das eleições presidenciais no Brasil?

Esta matéria foi publicada no Jornal da Metodista.
Conheça Outras.

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
SOBRE A ESCOLA
X