Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Comércio Exterior / Notícias / Mercosul desponta como grande mercado na V Feira de Comércio Exterior da Metodista

Mercosul desponta como grande mercado na V Feira de Comércio Exterior da Metodista

Seis grupos de Administração-Comex apresentaram projetos de internacionalização na noite de 8 de junho

12/06/2018 16h10 - última modificação 13/06/2018 21h03

Foto pixabay.com

O Mercosul é o território mais promissor para empresas familiares ou de pequeno porte fazerem sua iniciação internacional, segundo pesquisas de mercado e análises de viabilidade financeira realizadas por alunos concluintes de Administração – Comércio Exterior da Universidade Metodista de São Paulo. Trabalhos de Conclusão de Curso (TCCs) deste 1º semestre enfatizam o potencial dos parceiros do Brasil na América do Sul tanto pela localização próxima quanto pelas vantagens fiscais do bloco.

Para a Ferpro Indústria e Comércio de Diamantados, de Diadema, que produz discos de corte e brocas, alunos desenvolveram estudo de inserção no Chile, país com muitas minas, rochas e beneficiadoras de minérios. Um dos principais discos da empresa, o Le Profissional, corta mármores e pedras em geral. “É um disco pequeno, que pode ser enviado até pelos correios”, afirma Isabelle Gusmão de Oliveira, que apresentou seu projeto na noite de 8 de junho último.

Posicionamento e rotina técnica

Seis grupos expuseram planos de internacionalização para empresas brasileiras na V Feira de Negócios de Comércio Exterior, montada na Praça Central do campus Rudge Ramos. Os projetos detalharam pesquisas de mercado, estudos de macro e microambiente, uso de ferramentas de marketing para posicionamento das empresas, orientação técnica nas rotinas de exportação e análises de viabilidade financeira da internacionalização das marcas. O sistema Aliceweb do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços foi bastante acessado como suporte.

Para o disco de corte da Ferpro, por exemplo, o grupo propõe plataformas de marketing digital como e-commerce e facebook e colocação inclusive em casas de ferragens, setor onde a empresa é forte no Brasil. O Chile, aliás, importa 50% de suas ferramentas do Brasil. Se a Ferpro conquistar 10% do mercado chileno, venderia 9 mil discos por ano, segundo os alunos.

Já o plano de internacionalização da seladora de embalagens Tekpack, da Tekniza Metalúrgica, indica que os Estados Unidos são o 2º maior importador dessas máquinas no mundo devido ao forte mercado de alimentos industrializados, com a rede McDonald’s à frente. “A máquina é customizada, ou seja, pode ser produzida para selar recipientes também de limpeza, higiene e cosméticos”, cita a aluna Yukari Mota, cujo grupo desenvolveu estudos também para reformulação do site da empresa com introdução de texto em inglês e sugeriu consultoria para profissionalização dos funcionários. A previsão é que a Tekniza consiga exportar 20 seladoras Tekpack por ano.

Veja os grupos que se apresentaram na V Feira Comex:

Ocean Blue
Estudo trata da viabilidade de a Ocean Blue Produtos Náuticos, do Rio de Janeiro, exportar plataformas hidráulicas submergíveis para a Argentina, que tem alta demanda e pouca oferta em acessórios para embarcações de médio e grande porte. Além disso, há vantagens tributárias pelo Mercosul, o que facilita a negociação e a exportação de produtos brasileiros. Apesar de pouco tempo de atuação, a Ocean Blue tem catálogo de produtos de referência no mercado nacional, que vão desde portas até plataformas submergíveis, um setor bastante restrito.

Emerson Assis, Gustavo Almeida Abraham, Gustavo Del Carlo Amaral, João Vompean, Lucas Nogueira Costa, Victor Angioletto, Vitor Simões

Edanca
O projeto visa a exportação da “churrasqueira portátil” produzida pela Edanca. O mercado alvo é a Argentina, um dos maiores consumidores de carne do mundo, além de parceiro econômico do Brasil no Mercosul, onde há vantagens fiscais como isenção do Imposto de Importação. Apesar da forte penetração desse produto no mercado nacional, a empresa não atua no exterior.

Erica Cristina Brito, Fernanda Barbosa Goulart, Fernando Januzzi Maran, Ingo Giovanni Galioli, Juliane Kerena Jupato, Maria Yasmym Lemos Silva, Thayna Emanoelly Rodrigues do Vale

Recaf
O objetivo é internacionalizar a Recaf, fabricante de ferramentas elétricas portáteis, solenoides de tração, motores de corrente contínua e extratores de disjuntores para os ramos siderúrgicos, elétricos e automobilísticos. O foco é colocar na Argentina o extrator de disjuntores, um produto que protege contra a formação de arcos voltaicos, caracterizados por explosões elétricas produzidas pela condução de corrente elétrica por meio do ar ou outro gás, entre dois condutores separados. Na Argentina há grandes empresas que utilizam disjuntores de alta tensão.

Isabela Riera, Isis Takamori, Jonatas da Silva Rodrigues, Munique Shih, Paulo Sérgio da Silva, Wellington da Silva Santos

HCG Tecnologia
Fabricante de máquina separadora de grãos de café, a HCG Tecnologia, de São Bernardo do Campo (SP), encontra na Colômbia um grande mercado, por ser parceira econômica do Brasil e ter vários produtores de café que demandam o equipamento, já que não há similar interno. A máquina da HCG é de pequeno porte, mas com alta performance na separação de grãos.

Amanda dos Santos Felix, Brenda Versolato Soldo, Felipe Andrade Porcel, Matheus Garcia da Silva, Patricia Magalhaes Vieira, Renan Bruno Lanza, Victor Silva Moreira

Ferpro Ferramentas
A Ferpro Indústria e Comércio de Diamantados, situada em Diadema (SP), produz diferente tipos de discos de corte e brocas. O estudo de inserção internacional contempla sua ferramenta de maior sucesso, o disco de corte Le Profissional, e o país alvo é o Chile, que se mostrou um mercado em potencial para o produto pois dispõe de muitas minas e beneficiadoras de minérios.

Bianca Brito Machado, Carlos Roberto Boscache Junior, Isabelle Guimarães Gusmão de Oliveira, Leonardo Fattori

Tekniza Metalúrgica
O estudo traçou um plano para a Tekniza Indústria Metalúrgica exportar sua seladora de recipientes Tekpack para os Estados Unidos, grande consumidor de alimentos embalados. A empresa familiar pode preencher com vendas para esse importante mercado a sazonalidade ou os momentos de crise no mercado brasileiro.

Ana Carolina de Paula, Bruna Guilherme Pereira, Daiana Silva Figueiredo Leão, Fernanda Lima Vanderlei, Stefany Rodrigues Pereira, Taís de Lima Vitoriano, Yukari Mota Pereira Santos

Veja imagens do evento: 

V Feira de Negócios de Comércio Exterior, TCCs de alunos concluintes de Administração-Comex

Esta matéria foi publicada no Jornal da Metodista.
Conheça Outras.

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre: , , , , , , , , ,

Receba informações de oferecimento deste curso

Receba informações de oferecimento sobre esse curso:

X