Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Biomedicina / Notícias / Biomedicina festeja 15 anos conceituado em rankings e com alunos bem colocados em empresas

Biomedicina festeja 15 anos conceituado em rankings e com alunos bem colocados em empresas

Data foi lembrada com mesas-redondas, apresentações culturais e confraternização de ex e atuais alunos e professores

05/11/2015 16h55 - última modificação 05/11/2015 17h02

Débora Amorim, do 4.período, fez apresentação de balé (Fotos Mônica Rodrigues)

Fazer pesquisas ao lado de uma autoridade mundial em oftalmologia como professor Shigeru Kinoshita, da University of Medicine de Kyoto, no Japão, ou gerenciar projetos de farmacovigilância na Covance, que lida com grandes laboratórios globais, são experiências que enriquecem qualquer profissional. Mais ainda quando essas passagens são de jovens com passado ainda recente de bancos escolares, como os ex-alunos de Biomedicina da Universidade Metodista de São Paulo Renata Ruoco Loureiro e Luis Gustavo Barreto. Ela formada em 2009, ele em 2004.

Renata e Luis fizeram parte da noite de boas histórias, narrativas sobre carreiras bem-sucedidas e passagens por empresas respeitadas no mercado que encantaram o auditório lotado do campus Planalto nas comemorações de 15 anos do curso de Biomedicina da Metodista, em 3 de novembro último.

Oito ex-alunos contaram aos graduandos como viraram páginas de suas histórias profissionais para frente, enfrentando inevitáveis dúvidas e tropeços profissionais. Professores consolidaram a memória do curso citando conquistas como o reconhecimento dos melhores rankings de Educação. Tanto assim que, em uma década e meia, a Biomedicina da Metodista drenou cérebros para indústrias farmacêuticas e de saúde como Boehringer Ingelheim, AstraZeneca, Covance e Fleury, ou colocou nos trilhos da pesquisa científica mestres e doutorandos em escolas como Unifesp, USP e Kyoto.

Como destacou o primeiro coordenador do curso e hoje diretor da Escola de Ciências Médicas e da Saúde, professor Rogério Gentil Bellot, os anos trazem muitas recompensas, não só rugas. “15 anos marcam cabelos mais brancos, alguns quilos e rugas a mais, mas muito aprendizado, histórias e sonhos para contar”, saudou ele na abertura do evento, quando lembrou que a graduação de Biomedicina surgiu em 2000 da percepção de que seria uma das profissões do futuro.

Em uma década e meia, a Metodista estruturou 19 turmas, com total de 1.075 biomédicos formados e atualmente 284 alunos distribuídos em oito períodos do curso.

Em multinacionais

    

Biomedicina15anos1.JPG
Yumi, Patrícia, prof. Bellot, Barbara e Luis

Duas mesas-redondas pautaram a noite de festejos, a primeira mediada pelo professor Rogério Bellot sobre “O Biomédico Metodista em Empresas Multinacionais”, e a segunda conduzida pelo atual coordenador do curso, professor Isaltino Marcelo Conceição, sobre “O Biomédico Metodista nas Áreas Acadêmica e Diagnóstico”.

Estão hoje em empresas globais Patrícia de Nóbrega Brunieri, formada em 2013 e atuando na alemã Boehringer, Iumi Mattos Kinoshita (2006) e Barbara Costa (2004), ambas na sueca AstraZeneca, e Luis Gustavo Barreto (2004), na Covance. O recado em comum é que a área exige estudos constantes, inglês impecável e ousadia para abraçar as oportunidades que se abrem ao biomédico, sobretudo com a descoberta de novas drogas.

Patrícia Brunieri se encontrou no marketing de medicamentos e especializou-se na área de oncologia/virologia. Sua missão é disseminar informações que curam: “Isso é muito gratificante”, afirmou. Barbara Costa iniciou com microbiologia, especializou-se em biotecnologia e pós-graduou-se em marketing, atuando como consultora técnica da linha oncológica da Astrazeneca. “O marketing envolve administradores, jornalistas, publicitários, mas é o biomédico que faz a diferença, sobretudo quando se trata de discutir estudos clínicos”, apontou.

Iumi Kinoshita começou com análises clínicas, mudou-se para a Teraskin Farmacêutica e especializou-se em microbiologia ambiental. Hoje é microbiologista sênior na Astrazeneca. Já Luis Barreto desde o início interessou-se por pesquisa clínica, área que cresce entre biomédicos segundo ele, e pós-graduou-se em administração, o que abriu-lhe portas para gerenciar projetos em farmacovigilância na Covance e dar aulas no Instituto Polígono.

Na academia

    

Biomedicina15anos2.JPG
Renata, Clara, prof. Isaltino, Janaína e Rodrigo

Optaram abraçar a vida acadêmica Clara Felix e Renata Ruoco Loureiro, formadas em 2006 e 2009 respectivamente, e ambas doutorandas pela Unifesp, Janaína Thaís Lopes (2006) doutoranda pela USP, e Rodrigo de Luca Lucena (2009), professor no colégio técnico Etip e atuando no Grupo Fleury.

Clara explicou que a falta de recursos públicos para suprir bolsas de estudo em pesquisas tem sido compensada pela iniciativa privada, sobretudo na forma de PPP (Parceria Público-Privada). Da iniciação científica no Instituto de Medicina Tropical da USP, ela passou em concurso na instituição na área de sorologia e agora faz doutorado nessa área e em biologia molecular. Janaína foi na contramão do início com análises clínicas e abraçou a microbiologia de alimentos. Após o mestrado em Ciências dos Alimentos, iniciou o doutorado em contaminação cruzada e com uso de matemática, já tendo viajado para a Dinamarca.

Interessada em seguir carreira em reprodução humana, foi durante o estágio em coleta de sangue que Renata Ruoco teve oportunidade de conhecer a oftalmologia, tema de seu mestrado em córneas em 2013. O orientador apresentou-lhe em 2014 uma porta aberta em Kyoto, onde está uma das maiores competências acadêmicas no assunto. “Me impressionei com a fartura de material nos laboratórios japoneses, onde o governo coloca muito dinheiro em pesquisas”, testemunhou ela durante seis meses. De volta a São Paulo, conseguiu bolsa Fapesp para o atual doutorado em Ciências Visuais.

Já Rodrigo Lucena começou na bioquímica de um hospital e, como definiu, a hematologia o escolheu, abraçando a contragosto uma área que hoje é seu grande cartão de visitas. Para ingressar no Fleury seu teste consistiu em ler, em uma hora, 10 lâminas com material de pacientes com leucemia, ou seja, muito alteradas. Hoje ele é referência em hematologia de urgência e emergência em hospitais, analista sênior e controle de qualidade do Fleury, além de dar aulas no Colégio Etip.

4 estrelas e nota 4 do MEC     

Biomedicina15anos5.JPG
Gustavo Godói cantou ao violão
  
Biomedicina15anos4.JPG
Douglas Reche e Thais Lopes dançaram samba

Coube ao coordenador atual de Biomedicina da Metodista, professor Isaltino Marcelo Conceição, historiar o percurso da graduação, desde o primeiro turno noturno com duração de 5 anos até a necessidade no ano seguinte, devido à intensa procura, de oferecer período integral (tarde e noite), com tempo regular de 3 anos.

Logo em seguida, em 2002, o curso já agregava o laboratório-escola LABMESP, para possibilitar estágio na área de análises clínicas. Isso rendeu-lhe à graduação o reconhecimento oficial pelo MEC. Em 2004, novo projeto pedagógico incluiu temas inovadores para a época, como reprodução assistida, engenharia genética e microbiologia de alimentos.

“Em 2008 recebemos pela primeira vez 3 estrelas do Guia do Estudante e nos destacamos com o 1º lugar entre os cursos de Biomedicina da Grande São Paulo, segundo avaliação do CPC-MEC, com nota 3. Passamos a integrar o ranking RUF-Folha de São Paulo e as estrelas do Guia do Estudante não foram perdidas desde então. Em 2013 e 2014, recebemos 4 estrelas. Também o CPC-MEC aumentou para 4”, lembrou professor Isaltino, citando entre outras conquistas a introdução de módulos no lugar de disciplinas em 2008 e a integração, em 2010, do LABMESP às demais Clínicas da Faculdade da Saúde, fazendo parte da Policlínica Metodista como seu Núcleo de Análises Clínicas (NAC).

A noite de comemorações também contou com apresentações artísticas de alunos. Débora Amorim, 4º período, dançou balé ao som de "Atrás da Porta", com Elis Regina. Douglas Reche, 6º período, e a parceira Thais Lopes sambaram Nega Marrenta, com Ana Carolina. Já Gustavo Godoi, 2º período, tocou e cantou ao violão "Thinking Out Loud", de Ed Sheeran.

Esta matéria foi publicada no Jornal da Metodista.
Conheça Outras.

Comunicar erros


Leia mais notícias sobre: , , ,

ISALTINO CONCEIÇÃO - COORDENADOR
isaltino-conceicao.jpg
Veja o minicurrículo

 


 biomedicina.jpg

Receba informações de oferecimento sobre esse curso: